Revolução de 1930

13:30 Junior Lopes 2 Comentários

Getúlio Vargas e a Revolução de 1930
Getúlio Vargas no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, em 1930.

A Revolução de 1930

Saiba mais sobre este movimento considerado revolucionário, apesar apesar de apoiado pela elite agrária 

O ano era 1930 e o presidente Washington Luis enfrentava a crise ocasionada pelo Crash da Bolsa de Nova Iorque. Um dos setores mais afetados pela crise foi o cafeeiro que, segundo Jorge Caldeira, amargou terrível queda: a saca de café no mercado nacional despencou de 67,3 libras esterlinas em 1929 para 26,2 em 1932 e 17,4 em 1935; o valor total das exportações brasileiras, que chegou próximo de 98 milhões de libras esterlinas em 1928, caiu para 36,6 milhões em 1932. Enquanto isso o movimento do comércio exterior no mundo também ia ladeira abaixo: passou de 68,8 bilhões de dólares em 1929 para 26,6 em 1932, chegando a 14,5 em 1934.

Mas a economia não era a única preocupação do presidente fluminense que fez carreira em São Paulo. A política nacional acompanhava o caos político. Para as eleições presidenciais de março de 1930, Washington Luis quebrou a política do café com leite, deixando de apoiar o virtual candidato da oligarquia mineira, Antonio Carlos de Andrade e indicando um candidato paulista, Júlio Prestes.
Tal fato foi o que faltava para a cisão entre as oligarquias, fazendo surgir a Aliança Liberal, formada pelas oligarquias de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba, tendo como candidatos o gaúcho Getúlio Vargas à presidência e o paraibano João Pessoa à vice-presidência.
A derrota da Aliança Liberal foi um balde de água fria nos ânimos daqueles que a apoiaram. No entanto, o assassinato de João Pessoa por motivos passionais acabou sendo utilizado como arma pelos derrotados, já que sua morte foi apresentada como exemplo do autoritarismo governamental. As manifestações antigovernamentais se espalharam pelo país e deram novo ânimo aos aliancistas.
O objetivo agora seria impedir a posse de Júlio Prestes.
"Façamos a revolução antes que o povo a faça!", teria dito Antonio Carlos de Andrade.
O movimento revolucionário teve início em 3 de outubro no Rio Grande do Sul, sob a liderança de Getúlio Vargas, enquanto no Nordeste Juarez Távora comandava os revoltosos. Washington Luis e as forças legalistas esboçaram uma reação mas, em dois dias o estado do Rio Grande do Sul estava dominado e as vitórias revoltosas aconteciam em sequência por diversos estados.
Finalmente, diante de um embate que parecia iminente, mas não aconteceu, entre revoltosos e legalistas, o presidente Washington Luis recebeu um ultimato para renunciar no dia 23 de outubro. Apesar de ter recusado o ultimato, acabou deposto e preso no dia 24.

Em novembro de 1930 Getúlio Vargas chega ao Rio de Janeiro e toma posse no dia 3, dando início ao período que entrou para a História como 'A Era Vargas'. Como objetivos claros, Getúlio apresentava a renovação da política criada por governos anteriores e a proposta de governo desenvolvimentista.

Conheça um pouco mais sobre a Revolução de 30 com a reportagem
do telejornal Rio Grande no Ar, da Rede Record:

-----
Fonte:
CALDEIRA, Jorge. Viagem pela História do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. 2ed.

2 comentários:

  1. Altamente recomendado! Tem muitos detalhes que não vemos - ou ao menos temos tempo de ver - durante as aulas, muito bom mesmo! Ok, sou suspeita, por todo aquele lance do meu Gegê, mas fica a dica né hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia, realmente você é suspeita... mas eu também sou!
      Legal que você tenha gostado. O bom é que com o blog podemos detalhar assuntos que precisam ser vistos com certa urgência, principalmente no terceirão.

      Abraço e até quinta-feira!

      Excluir

Obrigado pelo seu comentário, ele estará visível assim que for aprovado.

Comentários anônimos podem ser publicados, porém não serão respondidos. Então, se quiser uma resposta, identifique-se. Ok?

Mais uma coisa, dependendo da correria do dia a dia, pode ser que eu demore um pouquinho para responder, mas pode ficar tranquilo que, cedo ou tarde, responderei.

Um abraço do professor Júnior