Filme e atividade: Tróia

01:34 Junior Lopes 46 Comentários

Filme Tróia
Filme Tróia

Tróia

Filme e atividade - 3º ano


Colégio Construindo o Saber


Como não terminamos de assistir o filme na sala, clicando aqui você poderá assistir o filme online (a primeira opção está disponível).

Após assistir ao filme, responda as questões abaixo.

  • Somente com base no que assistiu, como você entendeu a Guerra de Tróia?
  • Após nossa aula sobre o conteúdo apresentado no filme, quais as principais incoerências que você pôde perceber em relação ao que foi estudado?
  • Como a questão religião está presente no filme?
  • Qual parte do filme chamou mais a sua atenção? Por quê?
Valor da atividade: 1,0

Esta atividade pode ser respondida através dos comentários desta postagem ou entregue ao professor, você escolhe.

Clique aqui para conferir a ficha técnica do filme no adorocinema.com.

Este filme é inadequado para menores de 14 anos. Clique aqui para conferir a classificação indicativa deste filme.




Trabalho de História

46 comentários:

  1. • O filme se passa nos últimos momentos da guerra que durou aproximadamente 100 anos. Esparta e Troia estavam em momentos de paz, depois de discussões diplomáticas, mas, ao que consta o filme, essa paz foi quebrada quando Paris, filho do rei de troia, vai a Esparta e se apaixona pela esposa do rei Menelau, cujo nome era Helena. Paris “rapta” Helena para que pudessem viver seu amor. Meio implícito, mas obvio, Esparta tinha outros interesses além de Helena e a mesma foi usada como pretexto para começar a guerra.
    Assim travada a guerra, Rei Menelau, com auxilio de Ulisses, mandou mais de mil navios a Troia. O combate acaba com os espartanos tendo que recuar, após a morte de Heitor, o corpo recebe um funeral de doze dias. Surge numa manha um cavalo de madeira, os Troianos achando que este era um presente dos Deuses, o colocou para dentro de seu território, o maior erro. Ao anoitecer desse mesmo dia, todos festejando o fim da guerra e Troia como vitoriosa, soldados gregos saíram de dentro do cavalo, matando a todos e queimando a cidade. Assim foi o fim de Troia.

    • Uma incoerência é o fato de não saberem se Troia realmente existiu, afirmando ser apenas um lugar fictício criado e introduzido nos poemas de Homero, foram encontradas ruinas que acreditam ser de Troia, mas há céticos que discordam e faz com que a existência desse lugar essa um grande mistério. As ruinas encontradas provaram que o reino ali, seja de Troia ou não, foi reconstruído sete vezes, uma sob os destroços da outra.

    • A religião não é muito abordada no filme, citando apenas alguns deuses em conversas no desenrolar da historia, sem muita importância no enredo principal. Há de perceber que os troianos eram politeístas, acreditavam em deuses como Zeus, Apolo e Afrodite.

    • De longe a cena mais marcante foi a do Cavalo de Troia, simplesmente uma jogada de mestre, enviando soldados dentro de um cavalo de madeira, como presente. Os Troianos baixaram a guarda quando pensaram ter ganhado, colocaram o cavalo dentro do reino, festejaram e foram mortos ao anoitecer. E A guerra que muito tempo durou, acabou em um “presente de Grego”.

    Mariane Okimoto nº 16

    ResponderExcluir
  2.  Ao que consta o filme , no inicio, Esparta e Troia não estavam em batalha, porém toda esta paz foi quebrada com a tola decisão do jovem Paris , filho do rei de Troia. Acreditando estar apaixonado por Helena , esposa do rei Menelau, Paris esconde Helena em seu navio para retornarem a Troia juntos e viver sua historia de amor. O fato de Helena ter deixado Esparta com Paris foi um pretexto usado para se dar inicio a guerra. No decorrer do filme o próprio irmão de Menelau revela que não estava lutando para reaver a esposa do irmão .
    Mais de mil navios foram mandados a Troia pelo rei Menelau . Porém o forte poder de Troia força os espartanos a recuarem. Dias após a morte de Heitor , um enorme cavalo de madeira surge nas portas de Troia e julgando ser um presente aos Deuses os Troianos trazem a peça para dentro da muralha.
    E durante a noite uma grande festa acontece por parte dos Troianos , que julgavam ter vencido a guerra. Mais tarde na mesma noite, quando toda a cidade dormia cansada e bêbada de festar , os soldados escondidos dentro do grande cavalo saem , queimam a cidade e matam seus habitantes. Este é julgado o fim de Troia.

     A principal incoerência é simplesmente o fato de que não se sabe se Troia realmente existiu. Onde era julgada a localização de Troia foram encontradas ruínas , ruínas estas que mostravam que o reino que ali esteve foi construído por cima de seus destroços sete vezes. Mas nada impede que Troia seja apenas um locas imaginado por Homero para seus poemas.

     A religião é um fator muito pouco abordado no filme , em breves conversas entre os personagens eram citados nomes de Deuses ,porém , em nada estes mesmos influenciaram muito no filme. Crendo em deuses como Zeus e Apolo da para se ver que os troianos eram politeístas.

     A cena mais marcante foi uma amostra de rebeldia de Aquiles , onde ele diz que não luta por Menelau , pois não considera o mesmo seu rei.

    ResponderExcluir
  3.  Ao que consta o filme , no inicio, Esparta e Troia não estavam em batalha, porém toda esta paz foi quebrada com a tola decisão do jovem Paris , filho do rei de Troia. Acreditando estar apaixonado por Helena , esposa do rei Menelau, Paris esconde Helena em seu navio para retornarem a Troia juntos e viver sua historia de amor. O fato de Helena ter deixado Esparta com Paris foi um pretexto usado para se dar inicio a guerra. No decorrer do filme o próprio irmão de Menelau revela que não estava lutando para reaver a esposa do irmão .
    Mais de mil navios foram mandados a Troia pelo rei Menelau . Porém o forte poder de Troia força os espartanos a recuarem. Dias após a morte de Heitor , um enorme cavalo de madeira surge nas portas de Troia e julgando ser um presente aos Deuses os Troianos trazem a peça para dentro da muralha.
    E durante a noite uma grande festa acontece por parte dos Troianos , que julgavam ter vencido a guerra. Mais tarde na mesma noite, quando toda a cidade dormia cansada e bêbada de festar , os soldados escondidos dentro do grande cavalo saem , queimam a cidade e matam seus habitantes. Este é julgado o fim de Troia.

     A principal incoerência é simplesmente o fato de que não se sabe se Troia realmente existiu. Onde era julgada a localização de Troia foram encontradas ruínas , ruínas estas que mostravam que o reino que ali esteve foi construído por cima de seus destroços sete vezes. Mas nada impede que Troia seja apenas um locas imaginado por Homero para seus poemas.

     A religião é um fator muito pouco abordado no filme , em breves conversas entre os personagens eram citados nomes de Deuses ,porém , em nada estes mesmos influenciaram muito no filme. Crendo em deuses como Zeus e Apolo da para se ver que os troianos eram politeístas.

     A cena mais marcante foi uma amostra de rebeldia de Aquiles , onde ele diz que não luta por Menelau , pois não considera o mesmo seu rei.


    Vanessa Santa Rosa nº 20

    ResponderExcluir
  4. - O filme retrata a guerra travada entre gregos (espartanos) e troianos que ocorreu logo depois que o príncipe Páris, filho do rei de Troia, rompe o tratado de paz feito com Esparta “raptando” Helena, esposa do rei espartano Menelau, por quem se vê apaixonado. Com intuito de recuperar sua esposa, Menelau, auxiliado por seu irmão e rei de Micenas, Agamenon, reuniu um forte exército para iniciar a batalha. Uma frota de mil navios foi enviada a Troia por meio do mar Egeu. É importante ressaltar que além do objetivo de reaver Helena, houve também um grande interesse diplomático (como o controle sobre o estreito de Dardanelos, uma importante rota comercial da época que ligava os mares Egeu ao Negro) – principalmente por parte de Agamenon – para que a guerra ocorresse. A guerra durou cerca de cem anos, porém no filme são constados apenas os seus últimos momentos, e teve fim quando o espartano Odisseu resolveu pôr em prática o seu plano: construir um cavalo gigante de madeira e fazer com que os soldados gregos ficassem em grande maioria dentro desse cavalo e deixa-lo às margens das muralhas troianas como forma de anunciar que os gregos estavam finalmente desistindo da guerra. Ao verem que os navios espartanos haviam se ido, os troianos se deram por vencedores, acolheram o cavalo para dentro de seus portões acreditando que este era um presente vindo dos deuses e deram uma grande festa em comemoração ao fim da guerra. À noite, enquanto todos dormiam, os soldados gregos saíram de dentro do cavalo e incendiaram toda a cidade de Troia, que até então tinha permanecido intacta aos ataques gregos.


    - Um dos fatores mais incoerentes obtidos através do filme foi o da incerteza sobre a real existência de Troia, já que os relatos de Homero foram escritos cerca de quatrocentos anos após o término da guerra e suas fontes eram orais, o que não ratifica se tudo não passou de uma mera invenção do escritor. Porém, por trás dessa lenda existe uma verdade: Heinrich Schliemann, arqueólogo alemão, descobriu destroços de um antigo reinado na atual cidade da Turquia, local onde se localizava o império troiano, que foi reconstruído uma (ou até mesmo sete!) vezes após o mesmo reino vir a cair por terra.


    - A religião não é muito enfatizada no filme e sim apenas citada em alguns momentos, não condizendo com a real relação entre homens e deuses que existia na época. Mesmo que essa relação tenha sido deixada a desejar, com base no filme se pode inferir que os troianos eram politeístas, ou seja, cultuavam vários deuses, como os mencionados Zeus, Apolo e Afrodite.


    - Uma das cenas do filme que mais me chamou a atenção foi a que retratou a batalha direta entre Páris e Menelau por Helena, onde o príncipe descumpre o combinado entre eles e se refugia no irmão Heitor. Essa cena me fez concluir que mesmo que o homem esteja bem intencionado, disposto e de certa forma confiante, há sempre alguma coisa com que não se pode contar e com que se possa surpreender; que desistir não é um ato de covardia, mas de reconhecimento de que algo pode e precisa ser melhorado e de aceitação de que o homem sempre estará em um constante processo de aperfeiçoamento, tanto em seu aspecto físico quanto moral, intelectual e social.


    Nathália M. Franciosi, nº 18

    ResponderExcluir
  5. .Agamemnom sempre teve a intenção de dominar Tróia, para que tivesse poder sobre toda a região do Egeo. Heitor, príncipe de Tróia e Menaleau, rei de Esparta, estavam selando um acordo de paz. Enquanto isso Páris, irmão de Heitor se envolvia com Helena, mulher de Menelau. Quando os troianos partem para casa, Páris leva Helena com ele sem que ninguém saiba. Quando Menelau fica sabendo, pede ajuda ao seu irmão Agamemnom para ir atrás de Helena, usando isso como desculpa para guerriarem. Menelau parte para Tróia junto a Agamemnom e uma frota com o maior número de navios já visto. Chegando a praia de Tróia, os "Mirmidões", liderado por Aquiles, conquistam-a sózinhos.
    Ao decorrer da guerra, Aquiles se irrita com Agamemnom e ordena para que os "Mirmidões" parem de lutar. A Grécia começa a perder. O primo de Aquiles vai a guerra, Heitor mata-o achando ser Aquiles. Então Aquiles volta a guerra pensando em vingança. Após uma batalha, Aquiles mata Heitor. Os gregos aparentemente abandonam a guerra, com isso Tróia tem uma noite de festa, comemorando sua vitória. Os gregos deixaram apenas um "presente". Um cavalo com vários soldados dentro. Como os troianos estavam bêbados e muitos dormindo, os gregos saem do cavalo, abrem os portões de Tróia e devastam a cidade. Aquiles estava em um encontro com sua amada, quando aparece Páris e atira flechas. Uma delas acerta o tendão de Aquiles, provocando a sua morte.

    .No filme não há uma presença marcante dos Deuses tão adorados pelos gregos e troianos. Também não se tem uma certeza sobre a existência de Tróia.

    .A religião no filme quase não aparece, apenas em raros momentos, como quando Aquiles invade o templo de Apolo.
    Não é nada parecido com o que trás os poemas de Homero. Acredita-se que gregos e troianos eram muito ligados a religião.

    .A parte do filme que mais me chamou atenção foi a batalha entre Aquiles e Heitor. Quando Aquiles vai vingar a morte de seu primo, e trava uma épica batalha. Onde Aquiles mostra todo o seu poder e consegue matar, quase que facilmente, o melhor guerreiro de Tróia.

    ResponderExcluir
  6. .Agamemnom sempre teve a intenção de dominar Tróia, para que tivesse poder sobre toda a região do Egeo. Heitor, príncipe de Tróia e Menaleau, rei de Esparta, estavam selando um acordo de paz. Enquanto isso Páris, irmão de Heitor se envolvia com Helena, mulher de Menelau. Quando os troianos partem para casa, Páris leva Helena com ele sem que ninguém saiba. Quando Menelau fica sabendo, pede ajuda ao seu irmão Agamemnom para ir atrás de Helena, usando isso como desculpa para guerriarem. Menelau parte para Tróia junto a Agamemnom e uma frota com o maior número de navios já visto. Chegando a praia de Tróia, os "Mirmidões", liderado por Aquiles, conquistam-a sózinhos.
    Ao decorrer da guerra, Aquiles se irrita com Agamemnom e ordena para que os "Mirmidões" parem de lutar. A Grécia começa a perder. O primo de Aquiles vai a guerra, Heitor mata-o achando ser Aquiles. Então Aquiles volta a guerra pensando em vingança. Após uma batalha, Aquiles mata Heitor. Os gregos aparentemente abandonam a guerra, com isso Tróia tem uma noite de festa, comemorando sua vitória. Os gregos deixaram apenas um "presente". Um cavalo com vários soldados dentro. Como os troianos estavam bêbados e muitos dormindo, os gregos saem do cavalo, abrem os portões de Tróia e devastam a cidade. Aquiles estava em um encontro com sua amada, quando aparece Páris e atira flechas. Uma delas acerta o tendão de Aquiles, provocando a sua morte.

    .No filme não há uma presença marcante dos Deuses tão adorados pelos gregos e troianos. Também não se tem uma certeza sobre a existência de Tróia.

    .A religião no filme quase não aparece, apenas em raros momentos, como quando Aquiles invade o templo de Apolo.
    Não é nada parecido com o que trás os poemas de Homero. Acredita-se que gregos e troianos eram muito ligados a religião.

    .A parte do filme que mais me chamou atenção foi a batalha entre Aquiles e Heitor. Quando Aquiles vai vingar a morte de seu primo, e trava uma épica batalha. Onde Aquiles mostra todo o seu poder e consegue matar, quase que facilmente, o melhor guerreiro de Tróia.

    Leandro Longhi
    Número: 11

    ResponderExcluir
  7. Mariana Bianchini3 de abril de 2013 20:50

    • Somente com base no que assistiu, como você entendeu a Guerra de Tróia?
    A Guerra de Tróia foi o combate entre gregos e troianos, que durou aproximadamente 100 anos. Guerra esta que se iniciou utilizando como desculpa a fuga da rainha de Esparta, Helena, com o príncipe de Tróia, Páris.
    Os dois povos já apresentavam diversas desavenças, mas estavam em tempos de paz, o que muda depois que Helena se apaixona por Páris e foge com este para Tróia. Isto deixou o marido de Helena, rei Menelau, enfurecido, fazendo com que ele organizasse um poderoso exército, comandado por seu irmão Agamenon, poderoso herói grego.
    Agamenon reúne seu exército, recebendo apoio de Ulisses e marcha em direção à Tróia, começando assim a guerra, que só terminaria anos depois com o cavalo de tróia sendo oferecido como um presente de rendição grega e contendo dentro dele guerreiros gregos que saqueariam e queimariam Tróia.
    Não se sabe ao certo se a Guerra de Tróia realmente existiu, apenas conhece-se os relatos de Homero, antigo poeta (ou poetas) grego.
    • Após nossa aula sobre o conteúdo apresentado no filme, quais as principais incoerências que você pôde perceber em relação ao que foi estudado?
    Existem diversas incoerências a serem apresentadas porque o filme foi feito com o intuito de entretenimento. Uma delas, por exemplo, é a rapidez com que a guerra ocorre sendo que de acordo com os relatos ela durou aproximadamente 100 anos. Outra incoerência é que no filme aparenta-se que a única causa da guerra foi o “rapto” de Helena, mas sabe-se que isto foi apenas uma desculpa utilizada para atacar. Também podemos citar as mudanças realizadas na história original para que o filme se enquadrasse nos padrões necessários, como o romantismo exagerado, a questão dos costumes (pelo que pesquisei o primo de Aquiles, Pátroclo, não era primo, mas sim um caso amoroso) e também a influência exercida pelos deuses, que não é bem apresentada. Outra incoerência que me chamou muito a atenção foi a clara distinção feita entre o bem e o mal, em relação a heróis e vilões, fazendo dos troianos os mocinhos e declarando espartanos como vilões.
    • Como a questão religião está presente no filme?
    A questão religiosa está presente no filme de maneira leviana. Sabe-se que os deuses eram extremamente importantes para gregos e troianos, tudo era feito por eles e visando sua aprovação. No filme isto é apresentado em segundo plano, não dando a ênfase necessária. Os deuses são citados apenas em alguns diálogos e na cena de Aquiles conversando com sua mãe Tétis, uma ninfa do mar.
    • Qual parte do filme chamou mais a sua atenção? Por quê?
    A minha cena favorita do filme é a cena em que o rei Príamo vai até Aquiles, após este ter matado Heitor, beija suas mãos e pede o corpo do filho para que possa fazer seu funeral. Nesse momento o rei dá uma lição moral em Aquiles ao dizer que até mesmo inimigos devem mostrar respeito uns aos outros, e também ao contestá-lo, quando Aquiles diz que Heitor matou seu primo, perguntando quantos primos, filhos, pais, irmãos ele também já não matou.


    Mariana Bianquini, nº 15

    ResponderExcluir
  8. 1- Tendo por base o filme podemos entender que: a guerra de Tróia foi uma disputa territorial entre países que já à muito tempo não se davam muito bem, e o pavio da guerra é aceso quando Helena de Esparta decide fugir para Tróia com o príncipe troiano Páris. Então o marido de Helena quer lavar sua honra e pede ajuda para seu irmão, que usa a desculpa para realizar seu tão esperado ataque à Tróia. Depois de resistirem bravamente os troianos são derrotados por conta de sua ingenuidade em acreditar na rendição do rei espartano.

    2- A principal incoerência se da pelo fato de não se saber se houve mesmo algum dia a cidade de Tóia, estudos indicam que não apenas uma mas sim sete cidades de Tróia existiram, mas são teorias tiradas de textos mitológicos, embora sabe-se de destroços de cidades onde teoricamente seria a cidade de Tróia, ou as cidades de Tróia. Mas uma outra falha que pode ser percebida no filme é a, não total mas grande, falta da participação dos deuses na história.

    3- Como citado na questão acima, a presença dos deuses é existente no filme, mas não tão constante como sabemos que realmente era na Grécia politeísta.

    4- No momento em que Minelau vai pedir ajuda ao irmão, pois naquele instante fique claro que o rei espartano iria ajudar seu irmão, mas não pelos motivos que seu irmão queria, ele usaria a ocasião como desculpa para fazer algo que já queria ter feito a muito tempo, que é dominar Tróia.

    Jonan R. Gorriz. n°09

    ResponderExcluir
  9. 1- Tendo por base o filme podemos entender que: a guerra de Tróia foi uma disputa territorial entre países que já à muito tempo não se davam muito bem, e o pavio da guerra é aceso quando Helena de Esparta decide fugir para Tróia com o príncipe troiano Páris. Então o marido de Helena quer lavar sua honra e pede ajuda para seu irmão, que usa a desculpa para realizar seu tão esperado ataque à Tróia. Depois de resistirem bravamente os troianos são derrotados por conta de sua ingenuidade em acreditar na rendição do rei espartano.

    2- A principal incoerência se da pelo fato de não se saber se houve mesmo algum dia a cidade de Tóia, estudos indicam que não apenas uma mas sim sete cidades de Tróia existiram, mas são teorias tiradas de textos mitológicos, embora sabe-se de destroços de cidades onde teoricamente seria a cidade de Tróia, ou as cidades de Tróia. Mas uma outra falha que pode ser percebida no filme é a, não total mas grande, falta da participação dos deuses na história.

    3- Como citado na questão acima, a presença dos deuses é existente no filme, mas não tão constante como sabemos que realmente era na Grécia politeísta.

    4- No momento em que Minelau vai pedir ajuda ao irmão, pois naquele instante fique claro que o rei espartano iria ajudar seu irmão, mas não pelos motivos que seu irmão queria, ele usaria a ocasião como desculpa para fazer algo que já queria ter feito a muito tempo, que é dominar Tróia.

    Jonan R. Gorriz. n°09

    ResponderExcluir
  10. 1 - – Uma guerra sangrenta entre Troianos e Espartanos. O conflito já vinha de tempos atrás, mas durante um período de paz, Páris, um troiano, seqüestra Helena, esposa de Menelau, rei de Esparta, e esse fato serve de pretexto para desencadear uma guerra.Um grande combate é travado e os espartanos são forçados a recuar. Num dado momento, Heitor duela com Aquiles e é morto por ele, seu corpo é arrastado por uma carroça, em um gesto de demonstração da vingança de Aquiles. Depois do funeral de doze dias dedicado a Heitor, os Troianos encontram um cavalo de madeira e acreditando ser um presente dos deuses e o recolhem. Durante a noite os gregos que estavam escondidos dentro do cavalo invadem a cidade e matam todos que veem pelo caminho inclusive o rei Príamo e incendeiam a cidade. Durante o massacre Paris dispara várias flechas em Aquiles e nenhuma tem efeito sobre o seu corpo pois este era invulnerável desde bebe exceto o seu calcanhar e quando Paris dispara uma flecha envenenada no calcanhar de Aquiles consegue enfim mata-lo.Ulisses coloca uma moeda em cada um dos olhos de Aquiles. O episódio do cavalo é conhecido pela história como presente de Grego.

    2 - A religião não é tão ressaltada no filme, a relação dos deuses com os humanos não é tão explícita, mas a maior dúvida é se a batalha de Tróia realmente existiu. Destroços foram encontrados no local e há provas de que uma cidade foi reconstruída sete vezes, mas não há provas de que foi mesmo Tróia.

    3 - – A batalha entre Páris e Menelau. Deixou claro que os espartanos eram mais fortes fisicamente, militarmente mais bem preparados, mas a coragem de Páris foi admirável, lutar por sua “amada” contra um guerreiro que ele sabia ser mais forte. Mostrou-se um covarde ao recuar, mas o medo da morte é compreensível, Heitor, seu irmão, salvou sua vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Junior, mandei em uma ordem errada... Faltou a separação da 2 e 3 e depois a 4. Só mandei 1, 2 e 3... Aqui vai a mais completa a partir da 2 e 3, ok?
      A pergunta 1 fica normal..

      2 - A maior dúvida é se a batalha de Tróia realmente existiu. Destroços foram encontrados no local e há provas de que uma cidade foi reconstruída sete vezes, mas não há provas de que foi mesmo Tróia.

      3 - A religião não é tão ressaltada no filme, a relação dos deuses com os humanos não é tão explícita. Em uma cena, mostra a revolta de Aquiles com os deuses, ele corta a cabeça de uma estátua do deus Apollo, mas essa é uma das poucas cenas que faz referência aos deuses.

      E a que antes era 3, vira 4. Conseguiu entender o que fiz? OPSKAOPKS =D

      Excluir
    2. Acho que vou entender Bianca. Kkkk

      Abraço!

      Excluir
  11. ☻ O filme "Troia" retrata apenas os últimos momentos da guerra, mas em si, ela foi um grande conflito bélico entre gregos e troianos que durou aproximadamente 100 anos, os dois lados estavam constantemente passando por desentendimentos como por exemplo o fato do rei Agamenon estar unificando a Grécia e necessitava de apenas uma desculpa para destruir Troia, que era uma grande rival comercial. No filme, a ''gota d'água foi o fato de Helena de Troia se apaixonar pelo príncipe Páris, filho do rei Príamo. Quando eles vão em uma missão diplomática em Esparta, o amor surge entre os dois. Paris leva Helena dentro de seu navio para Troia, e apos esse 'rapto', porque mesmo usando essa palavra, Helena foi com Páris de vontade própria, a guerra está prestes a começar. Helena foi apenas um pretexto para tudo começar, pois Esparta já queria começar essa guerra há muito tempo. Através do mar Egeu, mais de 2000 navios chegaram em Troia, mas seu poder era muito grande, fazendo Esparta recuar. O rei Heitor, irmão de Páris, acaba sendo morto por Aquiles, que estava lutando ao lado de Esparta, quando Heitor é morto, recebe um funeral de 12 dias, onde Esparta concordou em não atacar Troia nesse período. Em uma manhã, os troianos recebem um cavalo gigantesco de madeira em seu território, e achando que fosse um presente ou oferenda dos Deuses, eles levam o cavalo para dentro das muralhas, e anoite, durante uma festa, quando todos já estavam embriagados, começam a sair de dentro do cavalo vários gregos, e começa o grande ataque novamente à Troia, que acaba sendo destruída totalmente, o rei Príamos é morto, e no final, Aquiles que estava tentando salvar a sua amada, acaba sendo atingido bem em seu ponto fraco, que é o tendão, pelo rei Páris.


    ☻ Uma das incoerências que pude perceber foi o fato de que no filme, o rapto de Helena é retratado como o único motivo da guerra, quando na verdade se sabe que não foi bem assim. Troia e Esparta já vinham enfrentando vários desentendimentos, e a captura da princesa Helena foi apenas um pretexto para Esparta começar a guerra.


    ☻ A religião não é tão abordada no filme, os Deuses são citados algumas vezes em diálogos ou conversas no desenrolar do mesmo. O Deus que mais é citado é Apolo. Na história real do filme, a religião está bem mais presente e os Deuses gregos estavam mais fortemente retratados.


    ☻ Para mim foi difícil escolher apenas uma cena mais marcante. Tenho 3 que se destacaram. A primeira, de longe, foi a conversa entre o Rei Príamo com Aquiles, que ocorreu após a morte de Heitor, foi uma cena muito marcante, pois apesar de tudo, o rei foi até o homem que matou seu filho e beijou suas mãos. A segunda cena foi a do cavalo de madeira, foi algo extremamente genioso, um plano totalmente bem feito e muito esperto. E a terceira e última cena que marcou e que foi a mais emocionante de todo o filme, foi a hora em que Troa estava sofrendo o ataque e Aquiles foi salvar sua amada, Briseis, e ele acaba sendo atingido por Páris em seu ponto fraco, o famoso calcanhar.

    ResponderExcluir
  12. ☻ O filme "Troia" retrata apenas os últimos momentos da guerra, mas em si, ela foi um grande conflito bélico entre gregos e troianos que durou aproximadamente 100 anos, os dois lados estavam constantemente passando por desentendimentos como por exemplo o fato do rei Agamenon estar unificando a Grécia e necessitava de apenas uma desculpa para destruir Troia, que era uma grande rival comercial. No filme, a ''gota d'água foi o fato de Helena de Troia se apaixonar pelo príncipe Páris, filho do rei Príamo. Quando eles vão em uma missão diplomática em Esparta, o amor surge entre os dois. Paris leva Helena dentro de seu navio para Troia, e apos esse 'rapto', porque mesmo usando essa palavra, Helena foi com Páris de vontade própria, a guerra está prestes a começar. Helena foi apenas um pretexto para tudo começar, pois Esparta já queria começar essa guerra há muito tempo. Através do mar Egeu, mais de 2000 navios chegaram em Troia, mas seu poder era muito grande, fazendo Esparta recuar. O rei Heitor, irmão de Páris, acaba sendo morto por Aquiles, que estava lutando ao lado de Esparta, quando Heitor é morto, recebe um funeral de 12 dias, onde Esparta concordou em não atacar Troia nesse período. Em uma manhã, os troianos recebem um cavalo gigantesco de madeira em seu território, e achando que fosse um presente ou oferenda dos Deuses, eles levam o cavalo para dentro das muralhas, e anoite, durante uma festa, quando todos já estavam embriagados, começam a sair de dentro do cavalo vários gregos, e começa o grande ataque novamente à Troa, que acaba sendo destruída totalmente, o rei Príamos é morto, e no final, Aquiles que estava tentando salvar a sua amada, acaba sendo atingido bem em seu ponto fraco, que é o tendão, pelo rei Páris.


    ☻ Uma das incoerências que pude perceber foi o fato de que no filme, o rapto de Helena é retratado como o único motivo da guerra, quando na verdade se sabe que não foi bem assim. Troia e Esparta já vinham enfrentando vários desentendimentos, e a captura da princesa Helena foi apenas um pretexto para Esparta começar a guerra.


    ☻ A religião não é tão abordada no filme, os Deuses são citados algumas vezes em diálogos ou conversas no desenrolar do mesmo. O Deus que mais é citado é Apolo. Na história real do filme, a religião está bem mais presente e os Deuses gregos estavam mais fortemente retratados.


    ☻ Para mim foi difícil escolher apenas uma cena mais marcante. Tenho 3 que se destacaram. A primeira, de longe, foi a conversa entre o Rei Príamo com Aquiles, que ocorreu após a morte de Heitor, foi uma cena muito marcante pois apesar de tudo, o rei foi até o homem que matou seu filho e beijou suas mãos. A segunda cena foi a do cavalo de madeira, foi algo extremamente genioso, um plano totalmente bem feito e muito esperto. E a terceira e última cena que marcou e que foi a mais emocionante de todo o filme, foi a hora em que Troia estava sofrendo o ataque e Aquiles foi salvar sua amada Briseis, e acaba sendo atingido por Páris em seu ponto fraco, o famoso calcanhar.

    ResponderExcluir
  13. • A Guerra de Tróia teve início quando o príncipe Páris levou para Tróia a rainha de Esparta, Helena, por quem se apaixonou. O rei de Esparta, Menelau, vai até seu irmão Agamenom em busca de ajuda para recuperar Helena. Esse “rapto” foi o pretexto que Agamenom utilizou para iniciar uma guerra contra Tróia, coisa que vinha querendo há tempos em sua busca por poder. Com o auxílio de Ulisses, mandou suas tropas para Tróia e a guerra teve início. Agamenom ainda chamou, para lutar a seu favor, Aquiles, que era considerado invencível. Após 10 anos de conflitos e várias mortes, entre elas a de Menelau e a do príncipe Heitor, irmão mais velho de Páris, Esparta diz render-se e deixa um presente para os troianos: um cavalo gigante, oferenda para que Poseidon abençõe sua viagem de volta. Os troianos colocam o cavalo para dentro de sua muralha, a contragosto de Páris, e comemoram a vitória sobre os gregos. À noite, porém, o exército espartano, que havia se escondido dentro do cavalo, ataca Tróia, que está desprevenida. Após um verdadeiro massacre, Tróia é destruída e os gregos conseguem a vitória.

    • Há uma grande dúvida sobre a guerra de Tróia: se ela realmente aconteceu ou é apenas ficção. A guerra é contada nos livros de Homero, Ilíada e Odisséia, além de terem sido encontradas as ruínas da suposta Tróia, porém não há nada que realmente prove a existência dessa guerra e como foi que ela aconteceu.

    • A religião, muito importante na época, é pouco mostrada no filme. Percebe-se o politeísmo e a crença no poder dos deuses e na vontade deles, porém é de forma vaga em relação à verdadeira ligação que aquelas civilizações tinham com seus deuses, de grande fé e devoção.

    • O que mais me chamou a atenção foi a destruição de Tróia e a morte de Aquiles. O primeiro, devido à genialidade dos espartanos ao dar o presente para penetrar as muralhas e então causar tamanha destruição. O segundo, por mostrar como Aquiles, nunca antes derrotado, foi vencido após ser atingido no calcanhar, como na expressão muito conhecida hoje em dia, “calcanhar de Aquiles”.

    Gabriela T. Canato, nº 5

    ResponderExcluir
  14. • A Guerra de Tróia teve início quando o príncipe Páris levou para Tróia a rainha de Esparta, Helena, por quem se apaixonou. O rei de Esparta, Menelau, vai até seu irmão Agamenom em busca de ajuda para recuperar Helena. Esse “rapto” foi o pretexto que Agamenom utilizou para iniciar uma guerra contra Tróia, coisa que vinha querendo há tempos em sua busca por poder. Com o auxílio de Ulisses, mandou suas tropas para Tróia e a guerra teve início. Agamenom ainda chamou, para lutar a seu favor, Aquiles, que era considerado invencível. Após 10 anos de conflitos e várias mortes, entre elas a de Menelau e a do príncipe Heitor, irmão mais velho de Páris, Esparta diz render-se e deixa um presente para os troianos: um cavalo gigante, oferenda para que Poseidon abençõe sua viagem de volta. Os troianos colocam o cavalo para dentro de sua muralha, a contragosto de Páris, e comemoram a vitória sobre os gregos. À noite, porém, o exército espartano, que havia se escondido dentro do cavalo, ataca Tróia, que está desprevenida. Após um verdadeiro massacre, Tróia é destruída e os gregos conseguem a vitória.

    • Há uma grande dúvida sobre a guerra de Tróia: se ela realmente aconteceu ou é apenas ficção. A guerra é contada nos livros de Homero, Ilíada e Odisséia, além de terem sido encontradas as ruínas da suposta Tróia, porém não há nada que realmente prove a existência dessa guerra e como foi que ela aconteceu.

    • A religião, muito importante na época, é pouco mostrada no filme. Percebe-se o politeísmo e a crença no poder dos deuses e na vontade deles, porém é de forma vaga em relação à verdadeira ligação que aquelas civilizações tinham com seus deuses, de grande fé e devoção.

    • O que mais me chamou a atenção foi a destruição de Tróia e a morte de Aquiles. O primeiro, devido à genialidade dos espartanos ao dar o presente para penetrar as muralhas e então causar tamanha destruição. O segundo, por mostrar como Aquiles, nunca antes derrotado, foi vencido após ser atingido no calcanhar, como na expressão muito conhecida hoje em dia, “calcanhar de Aquiles”.

    Gabriela T. Canato, nº 5

    ResponderExcluir
  15. Aluno: Caio Henrique Pançan n°3
    • Com base no que eu assisti deu a entender que a guerra foi curta, diferente da realidade que segundo estudos durou em média 100 anos. Da a se entender que Gregos e Troianos já se encontravam em conflitos pequenos e o que despertou a verdadeira guerra foi a traição de Helena, que serviu apenas como desculpa para atacar Tróia, até mesmo em um momento do filme o rei Grego tem uma conversa com seu irmão dando a entender que não da nenhum valor a Helena e que seu objetivo seria realmente conquistar Tróia.
    • Uma incoerência que da para perceber no filme é que nos estudos Gregos e Troianos seriam totalmente dependentes de seus deuses, já no filme deixa quase escondido essa fé dos dois povos, tirando apenas no final do filme onde o rei de Tróia amaldiçoa os gregos por destruírem estatuas de deuses. Outra incoerência é o fato de que não se tem certeza da existência da guerra, já que os únicos indícios seria as ruínas apontarem que Tróia foi reconstruída 7 vezes.
    • A questão da religião está oculta na maioria do filme do filme que em minha opinião deveria estar mais presente pois o principal personagem do filme seria “fruto” dos deuses, porém em algumas partes do filme deixa bem explicito o respeito de ambos os povos com os deuses, um exemplo seria quando o rei de Tróia entra na cabana de Aquiles para pedir o corpo de Heitor para realizar um funeral honrado.
    • A parte mais marcante em minha opinião foi quando o rei de Tróia entra na cabana de Aquiles para pedir o corpo de seu filho, isto me impressionou pelo fato de um rei entrar nos aposentos de outro homem para beijar as mão e elogia-lo.

    ResponderExcluir
  16. + O conflito se inicia quando Páris, o filho do rei de Tróia, se apaixona por Helena, mas antes disso acontecer, Esparta e Tróia se encontravam em paz, sem guerras. Então, Páris e Helena vivenciam uma história de amor, assim que ela, esposa do rei Menelau, foge com Páris para Tróia. Com isso, cerca de mil navios, liderados por Menelau, partem para Tróia com o objetivo de destruir a região. Houveram muitas lutas violentas e grandes massacres. Ocorre então o duelo entre Aquiles e Heitor, onde Aquiles vende a batalha, e o corpo de Heitor é arrastado por Aquiles e deixado nos muros de Tróia. Apesar da guerra ter se iniciado com o fato de que Páris capturou Helena, sabemos que o verdadeiro motivo não é esse, que foi usado como um pretexto para começarem aquilo que já queriam a muito tempo. Logo em seguida, surge um cavalinho de madeira em Tróia, onde acreditaram ser enviado por deuses. Assim, o levaram para seu território. Mas no mesmo dia, enquanto festejavam o fim da guerra, soldados gregos saíram de dentro do cavalo, causando a morte e destruição de Tróia.

    + Há uma grande discussão sobre a existência de Tróia. Muitos acreditam ser uma lenda, um mito. Outros, julgam terem encontrado vestígios de que houve uma guerra e que a história é verdadeira, mas ainda não há provas de que realmente existiu.

    + Mesmo a religião não estando muito presente no filme, sabemos que os troianos eram politeístas, ou seja, acreditavam em vários deuses.

    + A cena mais marcante é quando Heitor é arrastando em uma carroça por Aquiles, em volta das muralhas de Tróia, para demonstrar sua vingança.

    ResponderExcluir
  17. 1- O filme começa com Esparta e Tróia selando um acordo de paz ,mas tudo acaba por causa de uma paixão entre Paris, filho do rei de Tróia e Helena , esposa do rei de Esparta, que se chamava Menelau.
    Inconformado com a traição Menelau pede ajuda ao seu irmão Agamenon que tinha o maior exercito de toda a Grécia , Agamenon usa isso como “motivo” para entrar em guerra com Tróia , com ajuda de Ulisses , Aquiles e outros reis que eram seus subordinados , ele manda a Tróia mil navios.
    A guerra só teve fim quando os gregos dão de presente aos troianos um enorme cavalo de madeira ,para mostra que os troianos ganharam a guerra , mas os troianos não sabiam era que dentro do cavalo tinha vários soldados ,que depois da celebração da vitória troiana , os gregos aproveitaram a chance e atacaram a cidade de Tróia , conseguindo assim vencer a guerra.

    2- A incoerência é que há poucas provas de que a cidade de Tróia existiu , e por isso tem a dúvida até os dias de hoje sobre se a guerra é real ou uma ficção .

    3- A religião é mais abordado por parte dos troianos , que os mesmos acreditavam no deus Sol , que seria Apolo , que mostra até um templo dele no filme.

    4- Foi quando o réu de Tróia foi escondido ao acampamento dos gregos para implora que Aquiles entregasse o corpo de seu filho Heitor , pois mostra o respeito que Aquiles tem com o outro mesmo sendo seu rival.

    Nome : Paulo V. F. Pasquini n°19

    ResponderExcluir
  18. • Aconteceu quando o rei Agamenon faz uma oferta a menelau, que proporcionaria o melhor homem de cada exército lutando entre si. Paris filho do rei Príamo, vai ate Esparta e nessa ida apaixona-se por Helena, esposa de minelau. Paris leva Helena para Tróia e consequentemente a batalha toda começa. Menelau tem sede de vingança e organiza um exército com direção a cidade de Tróia. Aquiles, considerado um guerreiro super forte é o líder do exército grego e Heitor, irmão de Paris, lidera o exército de Tróia. Paris oferece uma batalha a dois à Minelau, sendo que o vencedor ficaria com Helena e a cidade Tróia, Paris fica ferido e seu irmão, Heitor, vai até os dois e acaba matando Menelau e assim o exército de Esparta e Tróia se confrontam. Acaba com o "presente dos gregos" que é um cavalo construído para carregar parte do exército até a cidade de Tróia. Assim Paris mata Aquiles com uma flecha no calcanhar.

    • A incoerência presente no filme é a intervenção direta dos Deuses. Outro ponto que pode ser questionado é se realmente existiu a guerra de Tróia e se realmente teve longo período de duração.

    • A religião exposta no filme está ligada à crença em deuses, alguns mais fortes e outros mais fracos e cada uma das sociedades (troianos e gregos) acreditava em seus determinados deuses. No filme a questão religiosa não fica muito clara.

    • A parte que mais me chamou atenção foi quando Heitor se despede dos mais próximos para lutar contra Aquiles, que está enfurecido com Heitor por ter matado seu primo Pátroclo, e assim que a luta segue Heitor acaba sendo morto. Aquiles para se sentir honrado amarra os pés de Heitor e segue caminho arrastando-o onde os gregos estavam.

    Aluna: Isadora Trentini, 08º


    ResponderExcluir
  19. • O filme Tróia se passa no final da Guerra, esta que durou 100 anos entre Esparta e Tróia. Com base no filme a guerra de Tróia... Os espartanos e troianos entram em guerra por causa do rapto da rainha Helena, esposa do rei Minelau rei de Tróia, por Páris, filho do rei Priamo de Tróia . Esse rapto ocorreu quando Páris foi para Esparta, em missão diplomática com os espartanos, e lá se apaixona por Helena e resolvem fugir para Tróia. Ao descobrir o rapto de sua esposa , Minelau fica enfurecido e com desejo de vingança ,e resolve organizar um grande exército com destino a Tróia, para trazer de volta sua esposa Helena, nisso começa a guerra de Tróia. No final do filme a Guerra de Tróia termina com o presente dos gregos, o cavalo de Tróia.

    • Sabemos que a Guerra de Tróia não ocorreu apenas por causa do sequestro de Helena, o que não fica exatamente claro no filme existia outros motivos para se começar o conflito. Outra incoerência a ser apresentada é o tempo de duração da Guerra, que durou aproximadamente 100 anos, mas no filme passa como se fosse bem menos tempo.

    • A questão religiosa se apresenta no filme com alguns deuses como Apolo , Athenas, Zeus, e Poseidon, o que se dá a perceber a crença em vários deuses , politeísmo. E observamos,a importância dos ritos funerários para esses povos, acreditavam que se não fizessem os ritos e homenagem devido ao costume, não encontrariam a paz no outro mundo.


    • A cena mais marcante, foi a do rei Priamo em uma conversa com Aquiles, indo nas acomodações inimigas com o objetivo de levar seu filho morto, Heitor, para o reino de Tróia para receber seu devido ritual religioso. Achei a cena muito emocionante, o rei ter entrado na cabana do homem que matou seu filho e humildemente pedir pra levar o corpo dele e beijado a mão de Aquiles , reconhecendo o grande guerreiro que ele é.


    Aluna: Esthela Castanheiro ; n:04

    ResponderExcluir
  20. Heitor Fabrim Masteline
    n°:Não tenho ideia

    *A guerra de Tróia foi um conflito entre aqueus e troianos,esta guerra que no caso do filme durou 10 anos.Foi ocasionada pelo sequestro da princesa Helena esposa do rei Menelau, por Páris.Isso ocorreu quando Páris em uma missão foi representar Tróia e então conheceu Helena,se apaixonou e então ele a "sequestrou" de Menelau e a levou para tróia, deixando o rei Mene não muito feliz,formando então um poderoso exército para acabar com a vida de Páris.Um exército muito poderoso que era contido por aproximadamente 1000 navios para fazer um cerco em Tróia, este cerco durou cerca de 10 anos.Muitos soldados morreram,foi uma grande matança,no meio dessas mortes tivemos os heróis gregos Heitor e Aquiles mortos também.A guerra teve a finalização com a brilhante ideia de um guerreiro grego,sua ideia foi presentear os troianos com um enorme e bonito cavalo de madeira,então disseram aos inimigos que estavam desistindo da guerra e que queriam presentear eles com um belo cavalo, então Tróia aceitou o presente,colocou para dentro e festejaram muito,durante a noite soldados gregos saíram a "rodo" de dentro do cavalo e fizeram uma matança, abriram os portões de Tróia e os soldados de fora exterminaram o resto dos troianos.

    *As mais visíveis incoerências são a que no filme mostra que a causa principal da guerra e a unica foi quando Páris levou para ele a princesa Helena,e na verdade não foi,isso foi só uma coisa para eles terem o que alegar para o inicio da guerra. E a outra incoerência é que no filme mostra a guerra rapidamente, mais que na verdade ela durou cerca de 100 anos e já no filme ela é muito resumida.

    *No filme os criadores deixam a desejar a questão religiosa, pois todos sabem que a questão religiosa era muito forte naquela época, muitos Deuses e mitos, isso é mostrado muito pouco e sem detalhes no filme, o que na verdade teria que ser ressaltado.

    *A parte que eu achei mais relevante no filme foi quando Páris teve a coragem de mesmo sabendo que Mene era mais forte,e de enfrenta-lo e mostrando todo o seu amor pela Helena, acabando por sendo Humilhado mais não deixou de demostrar que faria de tudo por ela.

    ResponderExcluir
  21. * A Guerra de Troia foi uma série de batalhas travadas entre gregos (denominados, na união de territórios conquistados pelos micenas) e troianos. Foi desencadeada pela fuga de Helena de Esparta, a mais bela e rainha, pois levou o rei a pedir o apoio em combate do seu irmão, rei micena e detentor de toda a Grécia. Isto levou uma frota de mil navios, 50 mil homens, a desembarcar na praia de Troia. O rei espartano movido por sua sede de vingança, e o rei micena por seu interesse territorial, no domínio troiano. Era sutil a linha que ligava os reis dos impérios dominados e o rei micena, e era especialmente tênue a aderência de Aquiles e seus homens à guerra (devido ao fato de não lutarem por nenhum rei, somente por si mesmos). Grandes heróis foram mortos, e seus nomes atravessaram os séculos, eles adquiriram a imortalidade que lhes era destinada, que “era deles”. Era enorme o poder estrategista dos soldados e comandantes, expresso pelo modo como atacavam os mirmidões, os melhores soldados de toda Grécia, na liderança de Aquiles, e principalmente pela brilhante ideia que fez Troia queimar, um modo de adentrar suas barreiras intransponíveis, com a construção de um imenso cavalo (que os troianos pensaram ser um presente em nome da paz) oco, onde soldados se esconderam e, na calada da noite, quando o cavalo estava dentro dos portões de Troia, estes saíram e abriram os portões para o restante do exército entrar, atacar e dominar Troia.

    * As principais incoerências apresentadas no filme em relação à realidade é, primeiramente, a dúvida de se a batalha verossímil aconteceu. Embora haja indícios e ruínas que possam vir a ser de Troia, há dúvidas quanto à sua existência real. Outra é quanto ao início da guerra, que aparentemente é por Helena, no momento em que fugiu de seu marido para viver um grande amor com o príncipe de Troia mais novo, quando, na verdade, já havia interesse do rei micena em conquistar o território troiano e agregá-lo aos seus domínios, sendo, Helena, apenas um pretexto para iniciar a guerra que decorreria inevitavelmente. E também em relação à duração da guerra, que, por ser um filme, tem pequena duração, iniciando e terminando facilmente, quando, na verdade, a guerra atravessa gerações, ocorrendo por volta de um século.


    Milena de Jesus Estrada, nº 17.

    ResponderExcluir
  22. * Embora a questão religiosa não tenha sido abordada de forma tão expressiva quanto se acredita que era na realidade, podemos perceber que, tanto gregos quanto troianos, eram politeístas. Especialmente em relação à Troia, o filme mostra a submissão ao deus Apolo, o deus-sol, "que tudo vê" e o quanto dependiam de sua aprovação (a ponto de tomar iniciativa de ataque ao adversário segundo a previsão de um sacerdote, ignorando a incoerência do ato, que era "desnecessário", e a racionalidade). Também é mostrado um ritual no templo de Apolo e o desrespeito a este no momento da invasão dos gregos liderados por Aquiles. Em alguns momentos (mas “vira e mexe”) é feita referência sobre Apolo, sua fúria, poder, proteção, entre outras coisas, mostrando devoção ao deus. Cita a deusa Afrodite, da sabedoria, e Zeus, deus dos raios.

    * O filme é incrível, e apesar de ser difícil escolher entre uma ou outra cena, as mais marcantes, em minha opinião, são: o início de uma batalha na praia de Troia, onde uma nuvem vermelha (de sangue) paira sobre os soldados quando as duas frontes se encontram (porque não faz parte sequer de meu imaginário o quão sangrenta uma guerra é e quantas vidas são perdidas ali, em questão de minutos); e quando o rei Príamo, de Troia, vai a Aquiles pedir pelo corpo de seu filho Heitor, demonstrando humildade, profunda tristeza e vontade de dar a seu filho, melhor guerreiro e defensor de seu reino, um funeral honroso como o homem que havia sido, digno de um herói, e Aquiles, reconhecendo o fato, concede-lhe o pedido e declara doze dias de trégua até que seja terminado o funeral, provando que, como o próprio rei disse, "mesmo inimigos devem respeitar-se entre si".

    Milena de Jesus Estrada, nº 17.

    ResponderExcluir
  23. Pessoal......

    de onde vocês tiraram que a guerra de Troia durou 100 anos????

    Foram aproximadamente 10 anos!

    Mais atenção!

    Cuidado também com as respostas.... estão bem padronizadas, vocês não acham?


    Abraço!!!!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário, ele estará visível assim que for aprovado.

Comentários anônimos podem ser publicados, porém não serão respondidos. Então, se quiser uma resposta, identifique-se. Ok?

Mais uma coisa, dependendo da correria do dia a dia, pode ser que eu demore um pouquinho para responder, mas pode ficar tranquilo que, cedo ou tarde, responderei.

Um abraço do professor Júnior