Amor, tragédia e traição: a história de Inês e Pedro

11:30 Junior Lopes 0 Comentários

Inês de Castro
Túmulo de Inês de Castro no Mosteiro de Alcobaça, em Portugal


Pedro I de Portugal e Inês de Castro.

Um amor que foi além da vida


Para os alunos da professora Rosângela. 
Colégio Lúcia Barros Lisboa


Como a professora Rosângela disse que utilizaria o blog para trabalhar com seus alunos, resolvi criar uma postagem exclusiva para eles, com uma história que sempre contei para meus alunos, mas nunca de forma aprofundada. Sendo assim, achei esta a chance de aproveitar e conhecer um pouco mais sobre esta história que gosto tanto e compartilhá-la com vocês.

A história se passa durante a dinastia de Borgonha, em Portugal, no século XIV. Fala de um amor que parecia impossível, entre o filho de um rei, o infante Pedro, e Inês, dama de companhia de Constança, que havia sido prometida a Pedro.

Naquela época os casamentos eram arranjados, levando-se em conta os interesses políticos dos reis. O casamento de Pedro e Constança não fugia à regra, ele filho do rei de Portugal e ela descendente dos reis de Aragão, Leão e Castela.
Porém o destino colocou no caminho de Pedro uma dama de companhia, Inês de Castro, tão bela que era chamada de 'colo de garça', pela qual Pedro se apaixonou perdidamente, chegando ao ponto de abalar seu casamento e, consequentemente, a estabilidade do reino.


Pedro I de Portugal
Pedro I de Portugal, também conhecido
como O Justo, O Cruel e O Vingativo

O pai de Pedro, o rei Afonso IV, não aceitando o romance entre os dois apaixonados, ordenou o exílio de Inês no reino de Castela. No entanto nem a distância derrotou o amor de ambos, que se fortaleceu ainda mais com a morte de Constança.
Sem encontrar meios de acabar com o romance e temendo problemas na sucessão do trono, D. Afonso ordenou a morte de Inês pelas mãos de três homens de sua confiança. Inês foi degolada e enterrada às pressas.
Inconformado, Pedro declarou guerra contra o próprio pai, chegando à paz somente após a intervenção de sua mãe.
Quando D. Afonso morreu e Pedro foi coroado como Pedro I, foi a hora da vingança definitiva. O novo rei mandou que buscassem os autores da morte de Inês e ordenou a morte dos mesmos de forma violenta. Quanto a Inês, diante do juramento de que ambos haviam se casado em segredo, o rei exigiu que sua eterna amada fosse reconhecida como rainha.
Diz a lenda que Pedro I ordenou que trouxessem o corpo de Inês para ser enterrado próximo dele e que, antes disso, o corpo foi levado ao trono para que todos os nobres presentes se ajoelhassem e beijassem a mão daquela que deveria estar sentada ao lado do rei.
Inês foi enterrada em um belo túmulo e Pedro I, após sua morte, foi enterrado próximo à sua amada, com os corpos de frente um para o outro para que, no dia da ressurreição, possam se levantar e cair novamente um nos braços do outro.
Essa história está esculpida no túmulo do próprio rei, conforme foi sua vontade.

0 comentários:

Obrigado pelo seu comentário, ele estará visível assim que for aprovado.

Comentários anônimos podem ser publicados, porém não serão respondidos. Então, se quiser uma resposta, identifique-se. Ok?

Mais uma coisa, dependendo da correria do dia a dia, pode ser que eu demore um pouquinho para responder, mas pode ficar tranquilo que, cedo ou tarde, responderei.

Um abraço do professor Júnior