191 anos da Independência do Brasil

00:17 Junior Lopes 0 Comentários

Independência do Brasil - 7 de setembro
Obra de François-René Moreaux. 

Há quase dois séculos o Brasil se tornava politicamente independente de Portugal. 

Em 7 de setembro de 1822 Pedro de Alcântara decretava o fim do período de domínio português, em um episódio às margens do Ipiranga que ninguém sabe com exatidão como ocorreu.



Como vemos constantemente em nossas aulas, a construção da História busca sempre uma explicação para um momento histórico, sendo influenciada por quem relata ou retrata determinado episódio. Em relação à Independência do Brasil não é diferente, o episódio ocorrido às margens do riacho Ipiranga na tarde do dia 7 de setembro de 1822 tem muitas construções.

A história oficial todos conhecem, a de que Pedro de Alcântara, príncipe regente do Brasil, em viagem entre Santos e São Paulo, recebeu cartas de sua esposa, D. Leopoldina e de seu ministro, José Bonifácio, pressionando para que a Independência fosse proclamada com urgência, antes que outros a fizessem. Foi quando o príncipe regente desembainhou sua espada e proclamou a famosa frase às margens do Ipiranga: "Independência ou morte!". Esse e outros momentos da nossa história foram exaltados, principalmente, após 1889, quando havia a necessidade em se construir um passado glorioso para a recém nascida República.

Não podemos nos esquecer que o 7 de setembro de 1822 põe fim a um processo que fora se desenhando desde a vinda da Família Real para o Brasil em 1808, passando, entre outros episódios, pelo Dia do Fico, em janeiro de 1822 e pela convocação de uma Assembleia Constituinte em junho desse mesmo ano.

Diversas construções históricas nos levam a algumas imagens prontas sobre o momento da Independência e, acredito eu, que o quadro de Pedro Américo seja, para muitos, a imagem mais perfeita desse nosso fato histórico. Sabemos que os resultados para nosso território, que se tornaria uma nação politicamente independente de Portugal, são mais relevantes que  a precisão dos fatos daquele momento tão importante. Mesmo assim,  vamos conhecer alguns relatos e pinturas sobre o nascimento oficial da nossa nação.


Relato de 1826 do Padre Belchior Pinheiro de Oliveira, testemunha ocular.


"D. Pedro, tremendo de raiva, arrancou de minhas mãos os papéis e, amarrotando-os, pisou-os e deixou-os na relva. Eu os apanhei e guardei. Depois, virou-se para mim e disse:

- E agora, padre Belchior?

Eu respondi prontamente:

- Se Vossa Alteza não se faz rei do Brasil será prisioneiro das Cortes e, talvez, deserdado por elas. Não há outro caminho senão a independência e a separação.

D. Pedro caminhou alguns passos, silenciosamente, acompanhado por mim, Cordeiro, Bregaro, Carlota e outros, em direção aos animais que se achavam à beira do caminho. De repente, estacou já no meio da estrada, dizendo-me:

- Padre Belchior, eles o querem, eles terão a sua conta. As cortes me perseguem, chamam-me com desprezo de rapazinho e de brasileiro. Pois verão agora quanto vale o rapazinho. De hoje em diante estão quebradas as nossas relações. Nada mais quero com o governo português e proclamo o Brasil, para sempre, separado de Portugal.
Respondemos imediatamente, com entusiasmo:
- Viva a Liberdade! Viva o Brasil separado! Viva D. Pedro!
O príncipe virou-se para seu ajudante de ordens e falou:
- Diga à minha guarda, que eu acabo de fazer a independência do Brasil. Estamos separados de Portugal.
O tenente Canto e Melo cavalgou em direção a uma venda, onde se achavam quase todos os dragões da guarda.   [clique aqui para ler trechos do primeiro capítulo do livro 1822, de Laurentino Gomes, no site da Folha de S. Paulo]



"Proclamação da Independência", obra de François-René Moureaux, de 1844.

Proclamação da Independência

Clique aqui para ler texto de Lilia Schwarcz sobre a obra, na Revista de História da Biblioteca Nacional.



Relato do Sr. Manuel Marcondes de Oliveira Melo, o Barão de Pindamonhangaba, testemunha ocular, em resposta à carta de Alexandre José de Melo Morais, que pedia detalhes sobre o fato ocorrido há 40 anos.

(...) indo o Príncipe em regresso de um passeio que tinha feito à cidade de Santos, depois que subiu a serra acompanhado somente por mim, recebeu nessa altura ofícios ou cartas por um próprio, parando e lendo-os disse-me que as Cortes de Portugal queriam massacrar o Brasil, continuando logo alcançado pela guarda de honra que havia ficado um pouco atrás, a quem o Príncipe ordenou que passasse adiante, e fosse seguindo, e isso creio, que em conseqüência de achar-se o mesmo Príncipe afetado de uma disenteria, que o obrigava a todo o momento a apear-se, para prover-se; meia légua distante do Ipiranga, encontrou-se a guarda de honra com Paulo Bregaro e Antônio Cordeiro, que perguntando à mesma pelo Príncipe, dirigiram-se ao seu encontro, para entregar-lhes ofícios, que traziam do Rio de Janeiro.

“A guarda de honra parou no Ipiranga, à espera do Príncipe que, como já fica dito, ficou atrás e com quem foram encontrar-se Paulo Bregaro e Cordeiro. Após pouco tempo, chegou o Príncipe ao Ipiranga, onde o esperava a sua guarda de honra, a quem disse, e aos mais de sua comitiva, que as Cortes portuguesas queriam massacrar o Brasil, e pelo que se devia imediatamente declarar a sua independência, e arrancando o tope português que trazia no chapéu, e lançando-o por terra, soltou o brado de ‘Independência ou Morte’; o mesmo fez a sua guarda e comitiva, a quem o Príncipe ordenou que trouxessem uma legenda com a inscrição ‘Independência ou Morte’. Esta cena teve lugar, pouco mais ou menos, às 4 horas e meia da tarde.

(...)

O Príncipe ia vestido com fardeta de polícia, e se a memória não nos é infiel, cremos que cavalgava em uma besta baia.
(...)
Resta-me o pesar de ter a mão do tempo riscado de minha memória muitos outros fatos circunstanciais, que porventura ladeassem o ato de nossa independência, porque quarenta anos se tem passado, e seria preciso grande fertilidade de reminiscência, para não esquecer todas as minuciosidades que se eram por essa ocasião. (14 de abril de 1862)    [Morais, A. J. de Melo. A Independência e o Império do Brasil. Brasília : Senado Federal, Conselho Editorial, 2004]

"Independência ou Morte", obra de Pedro Américo, de 1888.

Independência ou Morte

Clique aqui para ler sobre o quadro no site da revista Galileu.
Clique aqui para ler sobre o quadro no site do 'Último Segundo'.
Clique aqui para ler sobre o quadro no site do G1.

0 comentários:

Obrigado pelo seu comentário, ele estará visível assim que for aprovado.

Comentários anônimos podem ser publicados, porém não serão respondidos. Então, se quiser uma resposta, identifique-se. Ok?

Mais uma coisa, dependendo da correria do dia a dia, pode ser que eu demore um pouquinho para responder, mas pode ficar tranquilo que, cedo ou tarde, responderei.

Um abraço do professor Júnior