Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prova de História - 7º ano - com gabarito - Recuperação 3º bim/2022

Prova de História - 7º ano - com gabarito - Recuperação 3º bim/2022 

Avaliação Diagnóstica 8º Ano - Nivelamento 2022

Avaliação Diagnóstica História 8º
Foto de Pavel Danilyuk no Pexels

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

8º ANO
NIVELAMENTO/2022




Avaliação diagnóstica com base nos conteúdos de nivelamento para o 8º ano disponíveis na SEED/PR


Avaliação diagnóstica para o 8º ano do Ensino Fundamental.

Descritores presentes nesta Avaliação Diagnóstica para o 8º ano:

D03 - Identificar em momentos históricos distintos as mudanças e permanências nos processos históricos.
D05 - Identificar formas de organização do tempo (instrumentos- relógio, calendário etc, e medidas - dia, semana, mês, ano, século,etc.)nas sociedades em diferentes contextos históricos.
D09 - Identificar a influência da religião no campo cultural, político e social.
D15 - Reconhecer as diferentes formas de organização das sociedades.
D19 - Identificar formas de organização política em diferentes tempos e espaços.D20 - Identificar diferentes modos e sistemas de produção.

Prova transcrita abaixo (ou clique aqui para baixá-la):




1. De acordo com nossos estudos sobre as navegações no século XV, um dos motivos do pioneirismo português foi:

a) Portugal foi o primeiro país europeu a possuir uma monarquia centralizada, estabilidade política para investir em navegações.

b) A invenção do rádio, o que facilitou a comunicação entre os marinheiros.

c) As constantes guerras de reconquistas e batalhas contra a França, trazendo lucros para a coroa portuguesa.

d) A criação da Universidade Marítima de Lisboa (UML), onde formavam os capitães das naus com forte conhecimento científico e das cartas náuticas.


2. Para velejar em alto-mar os europeus daqueles tempos enfrentaram perigos reais e imaginários. Um dos perigos imaginários era:

a) A medusa, a mulher com cabeça de serpentes que congelava os navios e marinheiros que tivessem escutado seu canto. 

b) a crença de que a terra era achatada e que aquele que se afastasse muito do litoral cairia num abismo, e de que o mar era habitado por monstros terríveis.

c) a guerra contra os povos indígenas da América, onde poderiam resistir ao avanço dos navios europeus.

d) De que os navios fossem transformados em ouro pelo poder de Poseidon, e seus marinheiros iriam ser pedras.


3. De acordo com nossos estudos, as principais mudanças que marcaram o contexto do Renascimento na Europa foram: 

a) O desenvolvimento da energia a vapor, favorecendo a Revolução Industrial e o contato com outros povos.

b) A Guerra dos Cem Anos, trazendo o contato cultural entre franceses e ingleses.

c) O Iluminismo, trazendo ideias questionadoras contra do Antigo Regime e o poder do Rei e da Igreja.

d) Aumento da produção de alimentos, o crescimento do comércio com o Oriente, o aparecimento das feiras e das casas bancárias e o revigoramento das cidades.


4. Os artistas do Renascimento introduziram inovações técnicas que marcaram a história da arte. Uma delas foi: 

a) Técnica da mudança de cores com a luz da Lua, através da química.

b) O domínio da perspectiva, técnica que permite transmitir a sensação de profundidade.

c) O desenvolvimento plano, através de uma linha, os artistas conseguiam fazer a técnica da terraplanagem.

d) Técnica pluviométrica, com a química e o conhecimento geométrico, conseguia fazer mares e rios se movimentarem nas obras artísticas renascentistas.


5. Antes de Lutero, os primeiros reformadores, Jon Wycliff e Jan Huss, foram condenados pela igreja como heréticos. Quais eram suas críticas contra a Igreja e o clero que os levaram a serem punidos pela igreja? 

a) criticavam a sede da igreja Católica em Roma, queriam a descentralização do papado.

b) criticavam as imagens de santos e a salvação da alma pelas boas ações.

c) condenavam as vendas de objetos sagrados, a simonia, mas não criticavam as indulgências, vendas de perdões.

d) criticavam o luxo do alto clero, a corrupção dentro da igreja, e a falta de instrução dos sacerdotes. 



6. Em 1517, na região onde hoje é a Alemanha, um monge de nome Martinho Lutero revoltou-se contra a:

a) venda de indulgências, isto é, a venda de perdão, e defendeu a salvação da alma apenas pela fé.

b) forma como a igreja defendia a escrita da Bíblia, apenas em latim.

c) prática da igreja de punir os heréticos na fogueira.

d) crença da Igreja católica onde as almas salvas para o paraíso estavam predestinadas, antes mesmo do nascimento, não importando a fé da pessoa.


7. Durante o processo de centralização política, algumas monarquias europeias adotaram o absolutismo, regime político caracterizado por uma grande concentração de poder nas mãos do rei, entre os séculos XV e XVIII. Considerando tal informação, assinale a alternativa que caracteriza os fatores que favoreceram o absolutismo na Europa. 

a) Com o absolutismo, a Igreja Católica podia contar com uma legislação que proibia a centralização de impostos,  a convocação do exército e o uso de uma única moeda em todo território.

b) O absolutismo foi um regime político que beneficiava aos negócios da Igreja Católica e os camponeses poderiam contar com o apoio de financiamento desta instituição para seus projetos de expansão territorial.

c) Entre os fatores que favoreceram o absolutismo na Europa, entre os séculos XV e XVIII, destacam-se o aperfeiçoamento da imprensa, a Reforma Protestante e a política de caça às bruxas.

d) O absolutismo representou a valorização da atividade agrícola, que possibilitou à Igreja Católica cobrar impostos dos camponeses para fortalecer seu poder em toda a Europa.


8. Na Europa Ocidental, o poder absoluto dos reis contrariava uma longa tradição de poderes locais, exercidos pelos senhores de cada feudo. Para vencer a resistência da nobreza e burguesia, era preciso legitimar esse poder e justificá-lo pela razão e pela fé, tarefa que ficou a cargo de importantes intelectuais da época. Assinale a alternativa que apresenta a doutrina de direito divino de Jaques Bossuet: 

a) A frase de Luís XIV, ‘o estado sou eu’, como definição da natureza do absolutismo monárquico, significava a desagregação do poder real, civil e religioso, com a criação de uma igreja Francesa.

b) A superioridade do príncipe em relação a todas as classes sociais, reduzindo a um lugar humilde a burguesia, a igreja católica e a nobreza enriquecida.

c) A submissão da nobreza feudal pela eliminação de todos os seus privilégios fiscais e a centralização do poder real e absoluto na pessoa da burguesia com o apoio da Igreja Católica e do papa. 

d) Jacques Bossuet em seu livro “Política” ele desenvolveu a doutrina do direito divino dos reis, sobre qual o poder do soberano expressava a vontade de Deus, sendo assim o poder monárquico sagrado, divino, movido pela fé.


9. As monarquias absolutistas europeias adotaram um conjunto de ideias e práticas econômicas que, mais tarde, foram chamadas de mercantilismo. Nesse contexto, absolutismo e mercantilismo caminham juntos; são duas faces da mesma moeda. Considerando tal informação, assinale a alternativa que apresenta as características do mercantilismo.

a) Foi uma política econômica, especificamente ibérica, de defesa de seus interesses coloniais e de exploração do trabalho dos camponeses europeus, que passaram a pagar cada vez mais impostos ao papa.

b) Foi um conjunto de ideias e práticas econômicas que as monarquias absolutistas europeias adotaram, com forte intervenção do Estado na economia para enriquecer e fortalecer os estados nacionais modernos.

c) Consistiu em um conjunto de práticas e ideias religiosas baseadas em princípios cristão, defensores das livres práticas comerciais entre os diversos países.

d) Foi um movimento do século XVII que defendia a mercantilização de indulgências e relíquias sagradas e condenava a  intervenção do Estado na economia.


10. Mercantilismo é um termo que foi criado pelos economistas alemães da segunda metade do século XIX para denominar o conjunto de práticas econômicas dos Estados europeus nos séculos XVI e XVII em que as monarquias absolutistas deram grande apoio às atividades mercantis, daí o nome mercantilismo. Das alternativas abaixo, assinale aquela que indica as principais ideias do mercantilismo.

a) Busca de uma balança comercial favorável, ou seja, a superação contábil das importações pelas exportações, o intervencionismo do Estado nas práticas econômicas, a acumulação de metais preciosos como a principal forma de enriquecimento dos Estados.

b) Aplicação de capitais excedentes em outros países para aumentar a oferta de matérias-primas necessárias à industrialização e liberdade econômica para os domínios localizados em outros continentes.  

c) As monarquias europeias não tinham interesses em matérias-primas de outros continentes e evitaram colonizá-los, estimulando suas atividades comerciais, financeiras e industriais.

d) A economia não tinha importância no mercantilismo, visto que do ponto de vista financeiro, havia muitos bancos na Holanda, na Espanha e em Portugal que acumulavam a riqueza europeia nessa época.


11. Para dar início à exploração econômica e colonização da América portuguesa, o rei de Portugal tinha alguns desafios, entre os quais podemos destacar:

a) O produto escolhido foi o café, produzido no nordeste com mão-de-obra indígena e havia boas razões para essa escolha, visto a qualidade do solo. 

b) Escolher o produto que seria usado para impulsionar o aproveitamento econômico da terra; buscar capital para financiar a produção; e conseguir mão de obra adequada ao trabalho. 

c) Os portugueses já produziam açúcar nas ilhas da Madeira e Cabo Verde e então escolheram o algodão para iniciar a colonização brasileira. 

c) O açúcar não alcançava bons preços na Europa e desse modo, os portugueses optaram por manter a exploração do pau-brasil.


12. Havia três boas razões para escolher o açúcar para impulsionar o aproveitamento econômico da terra na América portuguesa, entre eles podemos destacar:

a) Nos primeiros engenhos foram aproveitadas as experiências de holandeses, italianos e franceses na produção de cana-de-açúcar na Ásia. 

b) Quanto à mão de obra, a monarquia portuguesa autorizou o governo-geral a promover “guerras justas” contra os indígenas a fim de libertá-los da escravidão.  

c)Da Europa e da Ilha da Madeira vieram as mudas e os profissionais capacitados para trabalhar no Engenho do Governador Martim Afonso de Sousa, em São Vicente (SP).

d) O solo, o clima do litoral nordestino; os portugueses já tinham produzido açúcar nas ilhas da Madeira e Cabo Verde; o açúcar alcançava bons preços na Europa.




GABARITO:

1 a

2 b

3 d

4 b

5 d

6 a

7 c

8 d

9 b

10 a

11 b

12 d


Comentários

Conteúdo Correspondente