Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Atividade - O Nome da Rosa

Atividade - Filme "O nome da rosa". Sugestão para o 1º Ano do Ensino Médio

10 Questões de Língua Portuguesa e Literaturas Comentadas - UEL/2022

Língua Portuguesa - www.professorjunioronline.com


10 Questões de Língua Portuguesa e Literaturas Comentadas - UEL/2022

Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa

Com gabarito comentado




As questões abaixo foram extraídas da prova da Universidade Estadual de Londrina (Vestibular - UEL 2022). Prova de Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa. Os gabaritos e os comentários das respostas foram extraídos do site oficial da UEL, que você pode conferir clicando aqui. O gabarito está logo ao final da postagem.


Questões:


1. Leia o poema a seguir e responda a questão

Chora um bem perdido, porque o desconheceu na posse

Porque não merecia o que lograva,
Deixei como ignorante o bem que tinha,
Vim sem considerar aonde vinha,
Deixei sem atender o que deixava:
Suspiro agora em vão o que gozava,
Quando não me aproveita a pena minha,
Que quem errou sem ver o que convinha,
Ou entendia pouco, ou pouco amava.
Padeça agora, e morra suspirando
O mal, que passo, o bem que possuía;
Pague no mal presente o bem passado.
Que quem podia, e não quis viver gozando
Confesse, que esta pena merecia,
E morra, quando menos confessado.
(MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos de Gregório de Matos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 224).

Em relação ao poema de Gregório de Matos, considere as afirmativas a seguir.
  • I. Os versos dos primeiros quartetos são decassílabos: no primeiro verso, há junção entre o “a” de “merecia”e o “o” subsequente; no segundo verso da segunda estrofe, isso ocorre em “me aproveita”.
  • II. A métrica do soneto é alternada: alguns versos são decassílabos; outros são alexandrinos, o que está em acordo com a indecisão do sujeito lírico.
  • III. Os versos do primeiro terceto, a despeito de inexistir coincidência sonora, rimam entre si, porque, assim como os do último terceto, são concluídos todos com verbos, reafirmando a perturbação do sujeito lírico.
  • IV. As rimas das duas últimas estrofes, embora tecnicamente pobres, têm curioso efeito: os versos finais de cada terceto rimam no particípio, dando a ideia de situação concluída.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.



2. Leia os poemas a seguir e responda a questão

Chora um bem perdido, porque o desconheceu na posse

Porque não merecia o que lograva,
Deixei como ignorante o bem que tinha,
Vim sem considerar aonde vinha,
Deixei sem atender o que deixava:
Suspiro agora em vão o que gozava,
Quando não me aproveita a pena minha,
Que quem errou sem ver o que convinha,
Ou entendia pouco, ou pouco amava.
Padeça agora, e morra suspirando
O mal, que passo, o bem que possuía;
Pague no mal presente o bem passado.
Que quem podia, e não quis viver gozando
Confesse, que esta pena merecia,
E morra, quando menos confessado.
(MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos de Gregório de Matos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 224).

HOWCOOL
ele foi ali na esquina
eu fiquei à deriva
ela foi tomar um chopp
eu fiquei na janela
meu amor
foi ao cinema
eu aqui virando as cartas
ele foi até a praça
ela foi brincar com fogo
eu fiquei ali na rua
meu amor
não disse onde
ela foi regar as ondas
eu fiquei aqui na fila
foi pegar um touro a unha
eu fiquei regando frases
foi embaralhar as cartas
eu fiquei virando a página
foi ali valer a pena
foi ali pra comer fogo
eu fiquei pensando à beça
ele foi lançar os dados
ela diz que tudo passa e
eu fiquei
eu fiquei
eu fiquei por isso mesmo
(COLLIN, Luci. Howcool. In: A palavra algo. São Paulo, Iluminuras, 2016. p. 21.)

Assinale a alternativa que estabelece correlações adequadas entre o soneto de Gregório de Matos e o poema “Howcool”, de Luci Colin.
a) Os quatro últimos versos do poema de Luci Colin, apoiados na força do verbo “ficar” e na repetição, apontam a amargura sentida também pelo sujeito lírico do soneto de Gregório de Matos, com a perda do bem.
b) No soneto de Gregório de Matos, o sujeito lírico está mais implícito e contido do que no poema de Luci Colin: isso ocorre devido ao predomínio da frieza na poesia barroca.
c) O destaque acentuado do pretérito no poema de Luci Colin, em contraste com a coexistência de presente e passado no soneto de Gregório de Matos, denota o prazer do ato de rememorar experiências.
d) As referências a “ele”, “ela” e “meu amor”, no poema de Luci Colin, correspondem a “quem”, no soneto de Gregório de Matos, reforçando a equivalência entre os sujeitos líricos quanto à expressão de sentimentos.
e) A dualidade barroca expressa no soneto de Gregório de Matos não só pela exposição de passado e presente mas também pelas noções de “gozar” e “penar” é revisitada no poema de Luci Colin com as imagens de “janela” e “fila”.



Leia o fragmento retirado da obra Eles não usam black-tie, de Gianfrancesco Guarnieri, e responda às questões 3 e 4.
TIÃO – Papai...
OTÁVIO – Me desculpe, mas seu pai ainda não chegou. Ele deixou um recado comigo, mandou dizê pra você que ficou muito admirado, que se enganou. E pediu pra você tomá outro rumo, porque essa não é casa de fura-greve!
TIÃO – Eu vinha me despedir e dizer só uma coisa: não foi por covardia!
OTÁVIO – Seu pai me falou sobre isso. Ele também procura acreditá que num foi por covardia. Ele acha que você até que teve peito. Furou a greve e disse pra todo mundo, não fez segredo. Não fez como o Jesuíno que furou a greve sabendo que tava errado. Ele acha, o seu pai, que você é ainda mais filho da mãe! Que você é um traidô dos seus companheiro e da sua classe, mas um traidô que pensa que tá certo! Não um traidô por covardia, um traidô por convicção!
TIÃO – Eu queria que o senhor desse um recado a meu pai...
OTÁVIO – Vá dizendo.
TIÃO – Que o filho dele não é um “filho da mãe”. Que o filho dele gosta de sua gente, mas que o filho dele tinha um problema e quis resolvê esse problema de maneira mais segura. Que o filho dele é um homem que quer bem!
(Adaptado de: GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles não usam black-tie. 36ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019. p. 101-102.)

3. Com base no fragmento, assinale a alternativa correta.
a) O trecho reúne Tião e Otávio respectivamente, um dos parentes e colegas de trabalho do pai do rapaz envolvidos no movimento grevista, que cria tensões e divide trabalhadores.
b) A condição de Tião ter tido “peito” permite que atos do personagem sejam interpretados por Otávio e outros trabalhadores como distantes da covardia.
c) De acordo com a visão de Otávio, a traição por covardia é ainda mais grave do que a traição por convicção, casos em que se incluem Jesuíno e Tião.
d) A alta carga dramática do trecho decorre do encontro entre personagens da mesma família com concepções divergentes sobre a greve e o trabalho.
e) Trata-se de uma passagem pouco comum, diferente daquilo que predomina na peça, que é a face cômica e pitoresca do cotidiano dos trabalhadores.

4. Acerca dos recursos linguístico-semânticos utilizados no texto, considere as afirmativas a seguir.
  • I. A língua escrita é a mais “correta”, enquanto a língua oral é repleta de “erros”, “falhas”, “inculta”, o que pode ser comprovado pelos exemplos: “Me desculpe”, “dizê”, “tomá”, “traidô”.
  • II. Há no texto uma influência da oralidade. Na língua, as expressões distinguem-se geográfica, social e historicamente. A fala espontânea varia da mesma forma: não há as mesmas atitudes linguísticas na burguesia e na classe operária, na conversação de adultos e na de adolescentes. 
  • III. Os termos “dizê”, “acreditá”, “traidô”, “tava” e “resolvê” são exemplos da variedade linguística do grupo social retratado no texto teatral. 
  • IV. O texto teatral dialoga com seu público-alvo. Em muitos textos escritos, encontram-se “pegadas” da fala a fim de persuadir o leitor e torná-lo participante ativo da mensagem em seu papel de interlocutor.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.



Leia a crônica a seguir, retirada do livro Histórias que os jornais não contam, de Moacyr Scliar, e responda às questões 5 e 6.

Nesta enquete eleitoral a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. (23/10/2005)
O estatístico acordou e, como sempre o fazia, espiou pela janela. Céu nublado. Deveria levar o guarda-chuva?
Com base em sua experiência pregressa, avaliou a possibilidade de chuva em 38%, com uma margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Decidiu não levar o guarda-chuva, mesmo porque já havia esquecido três ou quatro no escritório.
A mulher dormia ainda e ele decidiu não acordá-la; professora universitária, ela tinha ficado até a meianoite corrigindo trabalhos. Merecia o descanso. E de repente uma pergunta lhe ocorreu: será que ainda se amavam? Qual era a possibilidade de que isso acontecesse depois de quinze anos, três meses e oito dias de casamento, depois de dois filhos, um com treze anos, seis meses e sete dias, outro com dez anos, dois meses e 20 dias? Poderia arriscar uma cifra, mas decidiu não fazê-lo, mesmo porque estava atrasado. Engoliu rapidamente o café (frio: cerca de 32 graus, concluiu, e não costumava errar: sua chance de acertar a temperatura dos líquidos era de cerca de 91%, com uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos). Desceu para a garagem do prédio e entrou no carro, um velho Gol. O motor não quis pegar, e por um momento ele temeu que o automóvel o deixasse na mão. Mas as chances de que isso acontecesse eram de apenas 12%, com uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos, e logo ele estava no trânsito, congestionado como sempre. Estimou a sua chance de chegar no horário em 72%, com uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. De fato, às nove em ponto estava sentando à sua mesa. 
Tinha várias pesquisas para examinar naquele dia. As chances de uma marca de sabão ser preferida em relação à outra, as chances de um candidato à presidência de empresa ser eleito em relação a outro. Um trabalho a que estava habituado e que em geral transcorria com facilidade; as chances de concluir a análise de uma pesquisa em duas horas e trinta e oito minutos eram de 83%, com uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O fato, porém, é que uma pergunta o atormentava: será que ainda amava a esposa? Na semana anterior a empresa havia admitido uma nova estatística, moça simpática e linda que fizera balançar o seu coração.
Naquele momento o telefone tocou. Era a mulher: só queria dizer que o amava. E ele, jubiloso, concluiu que também a amava. As chances eram de 100%. Com uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais, só para mais.
(SCLIAR, Moacyr. Para mais ou para menos. In: Histórias que os jornais não contam. 3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.
p.121-122).

5. Com base na crônica, assinale a alternativa correta.
a) Essa crônica, assim como a maioria das demais que integram o livro de Moacyr Scliar, destina-se ao comentário do texto que funciona como ponto de partida. Aqui, ao comentário de uma questão metodológica acerca de pesquisa eleitoral se soma a descrição da vida e da rotina profissional de um estatístico.
b) O texto que é ponto de partida para a crônica de Moacyr Scliar e o trabalho desempenhado na história transcrita são marcados pelo manejo de previsibilidade e de cálculos, entre outras questões. O texto do cronista aprofunda-se no plano narrativo, focaliza um estatístico como personagem e se detém sobre sua vida afetiva, redimensionando noções como risco e erro.
c) Ao contrário das crônicas que predominam no livro de Moacyr Scliar, esta é concentrada no registro de impressões e sensações suscitadas por acontecimentos banais de naturezas diversas. A subjetividade que daí emerge entra em choque com o teor frio, neutro e objetivo que se espera de um texto amparado em números.
d) O texto que serve de base para esta crônica de Moacyr Scliar é desprovido de elementos inusitados que dão origem a outras produções do autor incluídas no livro. É, no entanto, no processo de recriação conduzido pelo cronista, neste texto, que o inverossímil entra em cena com situações surpreendentes que desafiam as expectativas até do próprio estatístico.
e) Um ponto em comum entre essa crônica de Moacyr Scliar e o texto que lhe dá origem é a ênfase em perspectivas baseadas em cálculos. O fictício assume lugar de relevância na composição do autor quando surgem as brechas e os riscos que ameaçam a rotina repetitiva: o automóvel cujo funcionamento é irregular; e a contratação da moça para a empresa em que ele trabalhava.



6. Sobre as características tipológicas da crônica, considere as afirmativas a seguir.
  • I. A estrutura do texto narrativo mantém relação com determinados tempos verbais do modo indicativo, principalmente os pretéritos perfeito, imperfeito e mais-que-perfeito, como comprova a crônica.
  • II. O pretérito perfeito exprime um fato concluído e o mais-que-perfeito é usado para retomar um acontecimento ainda mais anterior aos fatos que narra, como no trecho “moça simpática e linda que fizera balançar o seu coração”.
  • III. Os tempos verbais utilizados no texto configuram um tipo de discurso comentado, com características descritivas, típico do gênero jornalístico ao qual a crônica pertence.
  • IV. O presente histórico é utilizado para enfatizar fatos passados como se estivessem acontecendo no momento da fala, pois, ao narrar, o cronista menciona fatos ocorridos e, portanto, anteriores ao tempo em que se fala.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.



Leia o fragmento a seguir, retirado da obra O vendedor de passados, de José Eduardo Agualusa, e responda às questões 7 e 8.

Félix conheceu Ângela Lúcia na inauguração de uma mostra de pintura. Creio – mas isto é mera suposição – que se apaixonou por ela assim que trocaram as primeiras palavras, porque a vida inteira o preparara para se entregar à primeira mulher que, vendo-o, não recuasse horrorizada. Quando digo recuar, entendam-me, não é para ser tomado de forma literal. Ao serem apresentadas a Félix Ventura, há mulheres que recuam realmente, dão um curto passo atrás, ao mesmo tempo que lhe estendem a mão. A maior parte, porém, recua em espírito, isto é, estendem-lhe a mão (ou o rosto), dizem “muito prazer”, e a seguir desviam os olhos e lançam algum comentário frouxo sobre o estado do tempo. Ângela Lúcia estendeu-lhe o rosto, ele beijou-a, ela beijou-o, e depois disse:
- É a primeira vez que beijo um albino.
(Adaptado de. AGUALUSA, José Eduardo. O vendedor de passados. São Paulo: Planeta do Brasil, 2018. p. 131-132).

7. Sobre o romance, considere as afirmativas a seguir.
  • I. A passagem “mas isto é mera suposição...” contribui para a verossimilhança do relato, pois o narrador se restringe ao espaço físico da casa de Félix Ventura, sem acompanhá-lo em todos os lugares.
  • II. O trecho “A maior parte, porém, recua em espírito...” explicita que o narrador tem conhecimento das práticas de discriminação experimentadas pelo protagonista na vida social.
  • III. No trecho “lançam algum comentário frouxo sobre o estado do tempo.”, o narrador discorre com ironia, tão comum em outras passagens do romance, sobre a dissimulação humana.
  • IV. No trecho “É a primeira vez que beijo um albino.”, o narrador compromete a veracidade do relato, pois ele desconhece se Ângela teve experiências afetivas com outros albinos em sua vida.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.



8. Quanto aos recursos coesivos presentes no texto, considere as afirmativas a seguir.
  • I. No fragmento “Ao serem apresentadas a Félix Ventura”, fica evidente o sentido condicional condizente à sequência do que é narrado depois. 
  • II. Em “... dizem ’muito prazer’, e a seguir desviam os olhos”, há na expressão entre aspas um exemplo de discurso indireto livre.
  • III. A expressão “recua em espírito” caracteriza uso conotativo da linguagem, em conformidade ao que foi expresso anteriormente: “não é para ser tomado de forma literal”.
  • IV. Ao longo do trecho, as ocorrências dos pronomes “o” e “lhe” fazem referência direta a Félix Ventura.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas.
b) Somente as afirmativas I e IV são corretas.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.



Leia o texto a seguir e responda às questões 9 e 10

As vacinas são uma das mais belas criações da humanidade. Uma delas erradicou a varíola, outras derrubaram as mortes por febre amarela, sarampo e meningite e são elas que agora sustentam a volta à vida depois do período mais duro da pandemia de Covid-19. Seu princípio básico de funcionamento é tremendamente simples: estimular o corpo a identificar e combater um agente estranho ao organismo. Baseados nesse conceito, há décadas pesquisadores na área do câncer perguntam-se qual seria o efeito do recurso contra a doença, uma vez que os tumores são conglomerados anormais de células crescendo entre os tecidos, configurando-se, portanto, em algo alheio à natureza dos órgãos. Não tem sido fácil achar a resposta, mas o anúncio feito há duas semanas pela Cleveland Clinic, dos Estados Unidos, mostra que os estudiosos raciocinam no caminho certo.
Considerado um dos melhores do mundo, o centro americano de tratamento e pesquisa em saúde informou o início de um estudo clínico para testar a eficácia e segurança de uma vacina na prevenção e tratamento do tipo mais agressivo de câncer de mama. Se der certo, será o primeiro imunizante capaz de evitar diretamente o surgimento de um tumor. Atualmente, há opções de proteção indireta, como as vacinas de HPV e da hepatite B. A primeira atua sobre alguns tipos do Papilomavírus humano responsáveis por tumores, como o que causa câncer de colo de útero. A segunda protege de infecções pelo vírus da hepatite B, doença que promove inflamação crônica do fígado, tornando as células do órgão vulneráveis à proliferação descontrolada (característica do câncer).
Participarão do ensaio clínico entre 18 e 24 pacientes que tiveram o diagnóstico do câncer em etapa inicial nos últimos três anos, encontram-se sem o tumor, mas apresentam grande risco de recidiva. Até setembro de 2022, quando esse braço da pesquisa será encerrado, cada uma receberá três doses da vacina, aplicadas com intervalos de duas semanas entre cada uma. Nessa fase, o objetivo é examinar a resposta imune desencadeada pela vacina e efeitos colaterais. Ou seja, avaliar o desempenho do imunizante do ponto de vista terapêutico.
(Adaptado de: PEREIRA, Cilene. Uma vacina tão esperada. Veja. São Paulo: Ed. Abril. 10 de novembro de 2021. ed. 2763, ano 54, nº 44, p. 62-63).


9. Assinale a alternativa que apresenta, corretamente, um fato comprovado pelo texto.
a) Cientistas americanos descobriram a cura de uma modalidade de câncer, graças aos equipamentos e recursos financeiros que o país possui.
b) Obstáculos sociais e precariedade de equipamentos brasileiros dificultam que cientistas desenvolvam pesquisas semelhantes no Brasil.
c) Testes clínicos com pacientes potencialmente reincidentes são fundamentais no experimento para o alcance de respostas.
d) Os Estados Unidos apresentam dados alarmantes sobre o tipo de câncer mais agressivo de mama.
e) Toda pessoa que teve câncer de mama, e se encontra livre do tumor, vCONTINUAR POSTAGEM AQUI, DEPOIS DO ANÚNCIO, APROXIMADAMENTE DOIS PARÁGRAFOS APÓS O INÍCIO DO TEXTO
oltará a desenvolver a doença.



10. Sobre os recursos linguísticos empregados no primeiro parágrafo do texto, considere as afirmativas a seguir.
a) A noção de “conceito” contesta o que é nomeado antes como “princípio básico de funcionamento”, por agregar muitos elementos mais complexos, segundo o texto.
b) A ideia de “recurso” pode ser sintetizada na identificação precoce de um “agente estranho ao organismo”.
c) O termo “tumores” representa uma excepcionalidade no organismo de pessoas que já possuíam a doença à época da detecção do problema.
d) O termo “alheio” corresponde à voracidade do câncer como doença que leva à morte com muita rapidez.
e) O termo “resposta” está conectado com uma longeva linha de investigação mantida por pesquisadores do câncer


-------------------------------

-------------------------------



GABARITO comentado:

1. Alternativa correta: b
Justificativa: Todos os versos do soneto são decassílabos. Não há rima entre os versos do primeiro terceto.

2. Alternativa correta: a
Justificativa: O sujeito lírico no soneto de Gregório não é contido, nem se pode atribuir predomínio de frieza à poesia barroca. Não há prazer no “ato de rememorar experiências” no poema “Howcool”. Não há correspondência entre os termos da alternativa “d”. Os termos “janela” e “fila” não dão margem à ideia de gozo.

3. Alternativa correta: d
Justificativa: Otávio é o próprio pai de Tião. O fato de Tião ter tido coragem não significa um alívio nem é uma atenuante para seu ato. Os casos de Jesuíno e Tião não são interpretados da mesma forma. A comicidade não é o que predomina na peça.

4. Alternativa correta: e 
Justificativa: Há uma transposição da fala para a escrita no texto, marcada pelos termos que fogem à norma culta da língua. A língua escrita não é mais correta que a oral, são modalidades diferentes de uso da linguagem. O texto dialoga com o público-alvo ao usar linguagem mais familiar e subjetiva, característica também do gênero teatral. Os termos usados no texto são característicos do grupo social representado na peça teatral.

5. Alternativa correta: b
Justificativa: Esta crônica não é um comentário nem registro de impressões e sensações. Não se pode considerar que haja participação do inverossímil. A crônica inteira é fictícia e não apenas nas cenas do automóvel e da moça.

6. Alternativa correta: a
Justificativa
  • I. Correta. É característica do texto narrativo o uso de verbos no modo indicativo, principalmente, no pretérito perfeito (acordou, espiou) e no imperfeito (dormia, atormentava).
  • II. Correta. O pretérito indica que a ação do verbo foi praticada antes do ato de fala; o mais-que-perfeito indica um fato passado mais anterior ainda ao ato de fala.
  • III. Incorreta. Discurso narrado. 
  • IV. Incorreta. Não há presente histórico no texto. O presente é usado em lugar do pretérito perfeito em narrações (presente histórico).
7. Alternativa correta: d
Justificativa: É normal que um texto seja narrado em primeira pessoa e tenha seu foco narrativo em outra personagem. O trecho corresponde a uma fala de Ângela, o que está desvinculado da noção de veracidade.

8. Alternativa correta: c
Justificativa
  • I. Incorreta. Trata-se de oração subordinada adverbial temporal reduzida de infinitivo; equivale a “quando são apresentadas a Felix Ventura”.
  • II. Incorreta. As aspas marcam o discurso direto.
  • III. Correta. Uso metafórico.
  • IV. Correta. Os pronomes se referem a Felix Ventura.
9. Alternativa correta: c
Justificativa:
  • a) Incorreta. Não houve descoberta da cura, mas de uma vacina na prevenção e tratamento do tipo de câncer.
  • b) Incorreta. Não há menção, no texto, sobre equipamentos, recursos financeiros do país ou pesquisas desenvolvidas no Brasil. 
  • c) Correta. 
  • d) Incorreta. Não há dados apresentados sobre a doença nos EUA 
  • e) Incorreta. Não há afirmação de que “toda pessoa” que teve a doença voltará a ter.
10. Alternativa correta: e
Justificativa
  • a) Incorreta. Os tumores não são exceção em pessoas com câncer.
  • b) Incorreta. “recurso” corresponde ao combate do mal.
  • c) Incorreta. O termo “conceito” não contesta o “princípio básico de funcionamento”.
  • d) Incorreta. O termo “alheio” está associado a uma natureza particular e diferente nos órgãos.
  • e) Correta.







Comentários

Conteúdo Correspondente