Música na aula - Chover (ou invocação para um dia líquido)

13:30 Junior Lopes 0 Comentários

Caatinga
Vegetação de Caatinga no Sertão nordestino

Música interpretada pelo grupo Cordel do Fogo Encantado, que pode ser utilizada na disciplina de Geografia para trabalhar a região Nordeste, sub-região Sertão.

Chover (ou invocação para um dia líquido)

Cordel do Fogo Encantado

Ao trabalhar a região Nordeste do Brasil, a sub-região Sertão é a que primeiro chama a atenção dos alunos, seja pela questão da seca que castiga, seja pela singularidade da vegetação. Por isso mesmo, sempre deixo o Sertão como última sub-região a ser trabalhada, segurando a curiosidade dos alunos até o final. Após conhecermos e analisarmos cada uma das sub-regiões do Nordeste (Zona da Mata, Agreste, Sertão e Meio Norte) e discutirmos sobre as características físicas, sociais e econômicas, é hora de partirmos para as atividades em sala.
Como complemento às atividades, a música é sempre bem recebida pelos alunos. Para este conteúdo, geralmente trabalhamos com três músicas, que serão apresentadas em postagens distintas (clique no título da música para acessar a postagem):
  • Chover
    • que veremos nesta postagem e retrata a questão da chuva no Sertão
  • Lamento Sertanejo
    • que trata a situação do sertanejo na cidade  
  • Caboclo na cidade
    • utilizada para mostrar aos alunos que as migrações também acontecem em outras regiões.
Antes de apresentar a música para os alunos, é interessante comentar que o grupo Cordel do Fogo Encantado (que não existe mais) é da cidade de Arco Verde (PE), localizada na área do semiárido, no Planalto da Borborema. A própria localização da cidade já permite discutir a influência do meio no teor das letras do grupo.
É interessante destacar que o verso "Bombo trovejou a chuva choveu" é significativo na música, pois antes dele é cantada somente a seca e, depois dele, são mostradas as consequências da chuva.
Provavelmente, a sonoridade do grupo foge do que a maioria dos alunos está habituada a ouvir, por isso, é bom que o professor 'prepare' os ouvidos dos alunos para que o estranhamento não prejudique a audição da música.
O professor também pode preferir trabalhar com o vídeo da música, já que as apresentações do grupo eram bastante teatrais e verdadeiramente hipnóticas.

Boa aula!


Letra da música Chover (ou Invocação para um Dia Líquido), letra de Lirinha e Clayton Barros, interpretada pelo grupo Cordel do Fogo Encnatado.



O sabiá no sertão
Quando canta me comove,
Passa três meses cantando
E sem cantar passa nove
Porque tem a obrigação
De só cantar quando chove

Chover chover
Valei-me Ciço o que posso fazer
Chover chover
Um terço pesado pra chuva descer
Chover chover
Até Maria deixou de moer
Chover chover
Banzo Batista, bagaço e banguê

Chover chover
Cego Aderaldo peleja pra ver
Chover chover
Já que meu olho cansou de chover
Chover chover
Até Maria deixou de moer
Chover chover
Banzo Batista, bagaço e banguê

Meu povo não vá simbora
Pela Itapemirim
Pois mesmo perto do fim
Nosso sertão tem melhora
O céu tá calado agora
Mais vai dar cada trovão
De escapulir torrão
De paredão de tapera

Bombo trovejou a chuva choveu

Choveu choveu
Lula Calixto virando Mateus
Choveu choveu
O bucho cheio de tudo que deu
Choveu choveu
suor e canseira depois que comeu
Choveu choveu
Zabumba zunindo no colo de Deus
Choveu choveu
Inácio e Romano meu verso e o teu
Choveu choveu
Água dos olhos que a seca bebeu

Quando chove no sertão
O sol deita e a água rola
O sapo vomita espuma
Onde um boi pisa se atola
E a fartura esconde o saco
Que a fome pedia esmola

Seu boiadeiro por aqui choveu
Seu boiadeiro por aqui choveu
Choveu que amarrotou
Foi tanta água que meu boi nadou


0 comentários:

Obrigado pelo seu comentário, ele estará visível assim que for aprovado.

Comentários anônimos podem ser publicados, porém não serão respondidos. Então, se quiser uma resposta, identifique-se. Ok?

Mais uma coisa, dependendo da correria do dia a dia, pode ser que eu demore um pouquinho para responder, mas pode ficar tranquilo que, cedo ou tarde, responderei.

Um abraço do professor Júnior